Papa é recepcionado com fúria no Chile

A- A A+
 


Jovem é agredido durante protesto contra a visita do Papa, em Santiago - Foto: Victor R. Caivano / AP

O papa Francisco visitou o país sul-americano do Chile entre os dias 15 e 22/01 e foi recebido por protestos populares por todo o país. O próprio papa, que vem da América Latina e gosta de ser celebrado como o “papa dos pobres”, foi objeto de indignação.

O alto custo da visita do papa com segurança e aparato de repressão custeado pelo velho Estado chileno revoltou as massas básicas, que sofrem com a falta ou sucateamento dos serviços básicos. Alimentados pelos escândalos que incluem corrupção e abuso sexual por sacerdotes católicos, milhares se rebelam durante a visita.

Somente na capital Santiago, pelo menos 89 manifestantes foram presos. Defendem os leais servos da opressão imperialista contra a rebelião justificada da população.

Segundo apurou o jornal democrático-revolucionário chileno El Pueblo (Chile), a visita de Bergoglio ao Chile tem um custo de 4 bilhões de pesos (por três dias). "Sem dúvida, é um valor excessivo e insultante, especialmente em um país onde o salário mínimo aumentou 31 pesos por dia e onde grande parte da população vive dívidas asfixiadas", registra.

No dia 15/01, quando chegou ao Chile, o papa foi recepcionado por protestos contra os gastos públicos para garantir sua visita, em Santiago. Um dia depois, mais de 79 foram detidos em Santiago e Osorno. Segundo a repressão, jovens teriam ocupado um edifício de propriedade do Arcebispado.

Colaboração com o regime militar
Segundo pontuou o jornal, a indignação contra o papa também se justifica pelo seu passado. "Jorge Bergoglio, sendo cardeal da Igreja Católica na Argentina, foi acusado pelos fiéis de colaborar com a Junta Militar Fascista e até foi convocado para testemunhar no julgamento sobre tortura e desaparecimentos da Escola Mecânica da Marinha (ESMA). As acusações de cumplicidade apontam especificamente para a recusa de Bergoglio em proteger os sacerdotes jesuítas que foram presos e desaparecidos pelo governo militar", revela.

Segundo o jornal, sua visita tem como objetivo entravar a luta popular. “A visita de Jorge Bergoglio vem no contexto desta situação política de radicalização do protesto popular. Ele vem para dar oxigênio às instituições ranças e parar a luta do povo, principalmente a luta do povo Mapuche. É por isso que Bergoglio viajará diretamente para Temuco”, analisa.

“Importante destacar que o fato de vermos a visita de Bergoglio como insultante não significa que somos contra católicos ou contra a religiosidade das massas.”, arrebata.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja