Editorial - O triste fim de um projeto de conciliação de classes

A- A A+
 

Nota: Publicamos antecipadamente o Editorial da edição nº 204 de AND por ocasião da condenação em segunda instância de Luiz Inácio. A edição 204 que estará nas bancas a partir de segunda-feira, 05/02.

A polarização que se gerou em torno do processo movido pela Procuradoria-geral da República (PGR) e recebido pelo judiciário na figura do juiz Sérgio Moro terminou contribuindo para que as paixões falassem mais alto do que os fatos. De fato, isto não se tratou de uma estupidez que fez de Luiz Inácio e do PT vítimas de perseguição política, como querem alguns analistas. Muito ao contrário, obedece ao plano desesperado de um establishment dividido, que busca viabilizar a eleição de um presidente mais confiável, pela sigla do Partido Único, preferencialmente do PSDB.

Qual plano? Manter sobre ataque Luiz Inácio e o PT para dar-lhes palanque, fortalecendo-os como um perigo e uma ameaça de seu retorno à presidência do país. Para que? Para produzir o voto útil num candidato do PSDB. Caso a candidatura de Luiz Inácio cresça a ponto de ameaçar ir com muita força para o segundo turno, farão como fizeram com o impeachment de Dilma e com a condenação de Luiz Inácio em questão, inviabilizando sua candidatura. As classes dominantes exploradoras e opressoras exibem seu “Estado Democrático de Direito” para violar seu marco constitucional, legal, quando se apresenta necessário fazê-lo.

Para se demonstrar o caráter farsesco deste julgamento, sem efetivamente entrarmos no mérito e muito menos nas responsabilidades do PT e de Luiz Inácio nos casos de corrupção envolvendo a Petrobrás e empreiteiras, temos que voltar a 2002 quando da primeira eleição de Luiz Inácio ao gerenciamento do Estado brasileiro.

Depois de três disputas malsucedidas levantando bandeiras de históricas reivindicações do povo brasileiro, tal como a reforma agrária, além da retórica do radicalismo pequeno-burguês, o PT resolve elaborar um projeto de declarada conciliação de classes, aproveitando do crescente descontentamento popular com as péssimas condições de vida, situação agravada pela crise cambial resultante de oito anos de gerenciamento do PSDB, abalando sua viabilidade eleitoral.

Em primeiro lugar, montou uma chapa tendo como vice um representante da grande burguesia, na sua fração burocrática, José de Alencar. Num segundo momento, para tranquilizar o “mercado” e a Embaixada ianque, assinou a “Carta aos brasileiros”, expressando seu acordo à política de subjugação nacional imposta pelo imperialismo, principalmente ianque. Daí para frente autodenominando-se “lulinha paz e amor”.

Foi eleito e cumpriu com o juramento, respeitando todos os contratos firmados pelo gerenciamento de Cardoso com o FMI, Banco Mundial e a Casa Branca. Colocou um latifundiário no Ministério da Agricultura, agraciou o mercado colocando a raposa Henrique Meirelles, recém-eleito deputado federal pelo PSDB, a tomar conta do galinheiro, ou seja, do Banco Central.

Luiz Inácio, já pela metade de seu gerenciamento, se vangloriava de que jamais na história do Brasil os bancos e os ricos, em geral, haviam ganho tanto dinheiro. Para tanto, ele abriu as portas do BNDES e ampliou o crédito escancaradamente.

Como parte do projeto de conciliação de classes, as classes dominantes, afeitas ao lucro máximo, tiveram que engolir o programa do Banco Mundial, o fracassado “fome zero”, depois transformado em Bolsa Família, como consolo aos mais pobres do país. Isso, ao mesmo tempo, deu ao PT e à sua frente oportunista eleitoreira a base de onde criou a clientela de curral eleitoral, além de cooptar as organizações sindicais e populares.

Com o passar do tempo, a relação entre o oportunismo e seus amos foi chegando a um patamar que exigia redefinição do acordo. A crise econômica mundial de 2008 cobrava das colônias e semicolônias cobrir os prejuízos do imperialismo.

Já no gerenciamento de Dilma Rousseff, o “mercado” exigia a implementação de um programa liberal que significava, principalmente, retirar direitos dos trabalhadores e avançar sobre a renda dos mesmos por meio do desemprego e arrocho salarial.

Com sua política de cooptação e corporativização das organizações dos trabalhadores, o PT desarmou o proletariado e os servidores públicos para o enfrentamento contra o inimigo de classe (cooptando as centrais sindicais), usou a Contag e MST em suas estruturas burocráticas, mudando suas ações para apoiar o governo, enquanto organizou a repressão mais covarde, como todos os gerenciamentos anteriores, contra o movimento camponês combativo por meio de sua genocida Operação “Paz no Campo”. Assim consolidou sua aliança com os setores mais retrógrados da sociedade dentro da velha política do “é dando que se recebe”.

Chegada a segunda eleição de Dilma Rousseff, numa campanha em que esta negava a retirada de direitos dos trabalhadores, chegando a declarar que, sob seu gerenciamento, isso não ocorreria “nem que a vaca tussa”, bastou pôr-se eleita para chamar um banqueiro (Joaquim Levy) para implementar o programa defendido pelo seu principal concorrente Aécio Neves/PSDB. Diante do boicote de parte dos militantes do PT, o banqueiro não conseguiu implementar as medidas pretendidas. Aí a crise se instalou com todas as vicissitudes que ela pode trazer: impeachment, cassação, “Lava Jato” e crise econômica, social, política e moral em que se afundou o país.

Como advertimos na época, a instalação da Operação “Lava Jato”, manejada pela Embaixada ianque e Rede Globo, tem o objetivo de lavar a fachada do sistema para reverter a séria crise de credibilidade e legitimidade das carcomidas instituições do velho Estado. Para fazer-se crer verdadeira, atacou um amplo espectro das cúpulas partidárias para alcançar os políticos envolvidos em corrupções e propinas vindas de empreiteiras e da Petrobrás. Mas, direcionando-se especialmente para representantes do PT, simplesmente por terem sido um dia de esquerda – com destaque para os dirigentes como José Dirceu e Luiz Inácio, dentre outros – teve o objetivo de queimar a esquerda como corrupta e com isto debilitar qualquer perspectiva verdadeiramente revolucionária, em meio da grave crise de dominação que se abriu no país.

Americanófilos instalados na PGR, nas esferas do Judiciário e no Alto Comando das Forças Armadas, instigando a deduragem promovida com o instituto da delação premiada, jogaram a rede ao mar arrastando peixes de todos os tamanhos, porém, recolhendo preferencialmente petistas.

A atuação dos tribunais, neste caso, não passa de jogo de cena para conduzir no fim da linha o manejo já traçado pelo imperialismo e seus sabujos.

Mesmo renovando juras à fração burocrática da grande burguesia, o oportunismo petista não poderá reeditar seu projeto de conciliação de classes baseado no assistencialismo e arremedos de desenvolvimentismo, pois que já foram usados – e desempenharam o papel de sabujos – para cumprir os propósitos pretendidos pelas classes dominantes no gerenciamento do velho Estado. Agora só lhes está reservado um papel secundário como força auxiliar da velha ordem.

Não é a primeira vez na história que o oportunismo dá com os burros n’água, dando lugar ao assanhamento da velha direita, aos setores mais reacionários e entreguistas das classes dominantes. Como em um dia, já remoto, foram de esquerda e seguem posando como se fossem, são chamados até de comunistas pela direita fascista energúmena e, manhosamente, de esquerda populista pelo PSDB e outros. Nada disto! Rigorosamente, o PT sequer pode ser considerado socialista burguês. Contudo, seu miserável destino é o de ser tão somente sócio menor na administração do Estado burguês, latifundiário, serviçal do imperialismo.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja