Protesto popular rechaça Baile fascista na Áustria

A- A A+


Com informações de Dem Volke Dienen (Servir ao Povo, em português)

Milhares de pessoas tomaram as ruas de Viena, na Áustria, em uma grande manifestação antifascista em repúdio a anual "Dança dos Acadêmicos" - reunião de membros de fraternidades reacionárias, agentes da polícia e militares, funcionários de estado e semelhantes - no dia 27 de fevereiro.


O massivo protesto contou com grande participação de antifascistas de todas as províncias do país, bem como de países vizinhos como Alemanha, República Tcheca, Eslováquia, Itália e Hungria.


Devido à cúpula do G20 ocorrida em julho de 2017 na Alemanha, que também contou com a presença das forças de repressão austríacas, nas semanas que antecederam o baile fascista, os organizadores do evento reacionário e a polícia alimentaram rumores de que manifestantes estariam preparando "represálias contra a polícia austríaca", segundo as palavras do chefe de polícia Gerhard Pürstl. Tudo na tentativa de justificar a mobilização dos grandes contingentes dos aparatos de repressão: cerca de 3 mil policiais, além de mais de 900 oficiais convocados em vários estados da federação.

Embora a reação tenha se empenhado nesta campanha reacionária antecipada na busca de legitimar a violência policial e coesionar suas tropas na repressão contra os manifestantes, foram forçados a se conter devido ao grande número de participantes.

Assim a convenção reacionária deste ano foi ofuscada pelos massivos e vigorosos protestos populares.

Reproduzimos a seguir a tradução do informativo publicado no site afainfoblatt.com:


Áustria: Grande manifestação contra "Dança dos Acadêmicos" fascista em Viena

Este ano, a manifestação contra a "Dança dos Acadêmicos" fascista teve seu 10º aniversário. Não só o jubileu, mas também o novo governo ÖVP / FPÖ (siglas dos ultrarreacionários "Partido Popular Austríaco" e Partido da Liberdade da Áustria) trouxeram condições especiais. Há dois meses a Áustria é governada pelos representantes mais agressivos do capital. Os ataques aos direitos democráticos fundamentais, o aumento da exploração e da opressão inflamam a raiva do povo. Há dois meses mais de 100 mil pessoas se juntaram aos protestos contra o novo governo.

Desde a última grande manifestação, a mídia burguesa tenta atacar o antifascimo rebelde, até mesmo a utilização de fogos de artifício foi apresentado como "grande crime". A polícia advertiu sobre "turismo de manifestantes extremistas de esquerda", para justificar seu grande contingente e uma possível repressão à manifestação.

A propaganda burguesa contra esta manifestação não podia intimidar os antifascistas de demonstrar sua raiva justificada. Nunca, nestes 10 anos houver mais pessoas envolvidas neste protesto. Mais de 10.000 manifestantes se juntaram a ele.

Temos de nos preparar para uma luta antifascista duradoura. A "Ação Antifascista" manteve um alto grau de unidade e uma expressão de luta. Esse fato levou a um espírito combativo em partes do protesto, que foi sustentado até o fim. Especialmente os novos slogans "O Capital tem muitas cores, vamos lutar contra todos" e "Viva a Solidariedade internacional" foi entoado em grandes partes da demonstração.

Os antifascistas rebeldes não estavam assustados, estavam decididos e, em muitas partes da manifestação, havia fogos de artifício, contra o "pânico" da mídia, que foi um símbolo muito bom para a autoconfiança do movimento antifascista.

Sob as novas condições, a luta antifascista foi defendida com sucesso. Está provado que uma grande parte das forças antifascistas já não tem mais ilusão em nenhum partido burguês, mas o movimento antifascista precisa de uma perspectiva! Esta é a tarefa que as forças mais avançadas nas fileiras da luta antifascista devem assumir. Esta manifestação é uma boa base para os seguintes protestos. Temos que estar preparados para uma luta antifascista duradoura. Enquanto o capital não for destruído, a exploração e a opressão se intensificarão. Somente se uniremos nossas forças e, se nos organizarmos, podemos resistir contra os próximos ataques e elevar nossa luta a uma novo estágio!

Fortalecer o alcance da luta antifascista!
Morte ao fascismo! Abaixo o capital!




Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja