Protestos populares rechaçam eleições e empossamento em Honduras

A- A A+
 

Com informações de Den Volke Dienem (Servir ao Povo, em português)

Desde novembro do ano passado, manifestantes enfrentam diariamente policiais e militares em Honduras. Depois de uma eleição fracassada, considerada como adulterada por muitos, o país está em profunda crise política desde então. Apesar de um toque de recolher temporário e já 31 manifestantes mortos, os protestos reiniciaram nos dias 27 e 28 de janeiro quando o novo velho gerente de turno Juan Orlando Hernández anunciou assumir o cargo.

Fazem pouco mais de dois meses desde as eleições que ocorreram em novembro de 2016 e Honduras ainda continua em tumulto. Considerado ter liderança nas pesquisas iniciais no dia da eleição, a candidata presidencial Nasralla perdeu as eleições no final para o ex-presidente Hernández por uma pequena margem, presumida por muitos através da fraude.



Honduras é um dos países mais pobres da América Latina e todo o hemisfério ocidental. Mais de 60% da população vive em situação de pobreza sob altíssimas taxas de desemprego. Sendo mantido no subdesenvolvimento pelos vários imperialistas, mais notadamente o imperialismo do USA, o principal setor econômico em Honduras é a agricultura, onde predomina o latifúndio com a maioria dos produtos exportados. Para o povo hondurenho, a questão da opressão e da exploração não está, portanto, muito se um ou outro candidato ganhou. Nenhum "presidente" eleito acabou, nem nunca acabará com o caráter semi-colonial de seu país. Isso só pode ser alcançado através da luta.

A fúria das pessoas é dirigida contra a reação, a polícia e o aparto militar, que os estão assassinando por suas justas demandas, contra os cortes de seus direitos (como o toque de recolher a partir das 18h às 6h da manhã, que foi estabelecido em dezembro), contra o aumento constante dos custos da vida diária (por exemplo, o aumento dos preços da gasolina em 10% no ano passado), contra o governo semicolonial que, com a farsa eleitoral, mais uma vez se deslegitima e, especialmente, contra a intervenção imperialista em seu país. Essas são as razões pelas quais as pessoas, alimentadas pela crise política no país, estão dispostas a sair na rua dia a dia para se manifestar, atacar, construir barracas e enfrentar policiais e militares, sob toque de recolher ou não.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja