RJ: Moradores do Chapadão incendeiam ônibus em revolta por crime da polícia

A- A A+
 

Moradores incendiaram quatro ônibus no início da noite do dia 2 de janeiro, entre a Pavuna e Costa Barros, em ato de revolta contra a violência e os abusos cometidos pela polícia militar (PM) durante Operação de guerra no Complexo do Chapadão.

Três dos ônibus foram incendiados na estrada do Camboatá, e um quarto ônibus foi incendiado na avenida Chrisóstomo Pimentel de Oliveira, antiga Estrada Rio do Pau, interditando os dois sentidos. Os ônibus faziam as linhas 147I (Nova Iguaçu x Pavuna), 138I (Nilópolis x Caxias), 779 (Pavuna x Madureira) e 669 (Pavuna x Méier).

Os moradores ficaram revoltados com uma Operação policial promovida para vingar, com o sangue do povo, um policial que foi ferido alegadamente no Chapadão. A Operação da polícia resultou em um grande tiroteio contra os moradores na localidade, conhecida como Pirâmide. Três pessoas foram mortas, incluindo um motorista informal. Uma criança, atordoada pelo cenário de guerra contra o povo, chegou a fugir de casa e foi encontrada apenas dias depois, em Edson Passos.


“Estou triste com o sábado que está acontecendo na comunidade do Chapadão. Desde ontem que estamos passando por essa guerra. Porque esses troços – que isso daí [policiais] nem pode ser chamado de humano – que foram cuspidos aqui, vieram fazer uma coisa dessas: chegar aqui, achar que temos que ficar calados e aceitar tudo o que fazem. Eles acham que a nossa comunidade é o quê? Um lixão onde mora bicho? Eu estou revoltada, nós estamos cansados!”, desabafa moradora em áudio enviado à redação.

Os moradores que presenciaram o assassinato do motorista mobilizaram seus vizinhos para comparecerem à cena do crime e impedir que o ato passasse impune, após a Polícia Militar retirar o corpo do trabalhador e jogar no Caveirão para destruir a cena do crime. Essa manobra ilegal é comum após crimes policiais, pois apaga as evidências do crime e facilita a alegação de “auto de resistência”.


“Os policiais expulsaram a família, deram tiro para cima da família, para cima dos moradores, para cima de todo mundo! Depois que expulsaram a gente, jogaram o corpo dele no Caveirão!”, denunciou uma moradora que presenciou a destruição da cena do crime, em áudio enviado à redação de AND.

Os moradores da região estudam planejar uma mobilização para impedir que o blindado da polícia continue entrando na comunidade.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja