RS: Atropelamentos de indígenas expressam falência da política de demarcação de terras

A- A A+
As jovens guarani mbya foram enterradas no dia seguinte ao atropelamento no cemitério da cidade de Barra do Ribeiro (RS). Foto de Pablo Albarenga

A morte por atropelamento das guarani mbya Patrícia Fernandes, de 9 anos, e Zélia Fernandes, de 21, no município de Barra do Ribeiro, no Rio Grande do Sul, antes de ser uma mera fatalidade é expressão da falência da política de demarcação de terras indígenas do velho Estado, que mantém milhares de indígenas acampados nas margens das rodovias estaduais e federais por todo o país.

As duas jovens irmãs foram atropeladas por volta das 6h30min de 5 de fevereiro ao tentarem atravessar a BR-116, na altura do quilômetro 318, quando saiam da área indígena Passo Grande em direção a aldeia Guapoy, onde residiam. O motorista do veículo não prestou socorro às vítimas. Além disso, Sérgio Benites de 16 anos de idade também foi atropelado, mas sofreu escoriações leves.

A aldeia Guapoy integra a reserva Guarani Mbya situada próximo a BR-116, rodovia de intenso fluxo de veículos. A reserva é composta por quatro aldeias, contando com 18 famílias que vivem e resistem sem saneamento básico, posto de saúde e escola.

“A vida indígena é uma grande preocupação, passamos por discriminação, preconceito, com o perigo do asfalto e com mortes impunes todos os anos. Pelo impacto e pelas consequências do acidente, pudemos ver que o motorista estava em alta velocidade, e sequer tentou frear, pois não deixou nenhuma marca de pneus na estrada”, denunciou o cacique Santiago Franco em entrevista ao Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira