RJ: Protesto contra Intervenção Militar e 'reforma' da Previdência tomou as ruas do centro

A- A A+
 
Bloco independente em manifestação contra a 'reforma' da Previdência e Intervenção militar no Rio. Foto: Bruna Santos

 

Cerca de 500 pessoas tomaram as ruas do centro do Rio em uma vigorosa manifestação contra a intervenção militar no Rio de Janeiro e a 'reforma' da previdência, no dia 19 de fevereiro. A data foi marcada por cortes de rodovias, mobilizações e protestos em todo país, no campo e na cidade. Foram registrados mobilizações em ao menos 20 estados.

No Rio de Janeiro, o protesto teve início na Igreja Nossa Senhora da Candelária, com concentração marcada para as 16 horas, e percorreu a Avenida Rio Branco em direção à Cinelândia.

Um vigoroso bloco vermelho independente, composto por movimentos populares e revolucionários exibia grande faixa que trazia a palavra de ordem: Fora intervenção militar! Rebelar-se é justo!

Marcaram presença na manifestação o Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), o Movimento Feminino Popular (MFP), a Liga da Juventude Revolucionária (UV-LJR), o Movimento Classista dos Trabalhadores em educação (Moclate), Movimento Classista em Defesa da Saúde do Povo (MCDSP), Movimento de Moradores e Usuários em Defesa do Iaserj/SUS, dentre outros.

Apesar do forte cerco policial, os manifestantes não se intimidaram, entoando por todo o trajeto, a plenos pulmões, palavras de ordem contra a farsa eleitoral e a Intervenção Militar no Rio, como Intervenção não! Organizar o povo para fazer Revolução! e O povo prepara sua rebelião! Se abre um novo tempo para a Revolução!.

Essa foi a primeira manifestação ocorrida desde que as Forças Armadas tomaram o mando centralizado dos aparatos de repressão estaduais.

Foto: Rodrigo Duarte Baptista/AND

Provocações

Um enorme aparato de repressão foi montado para conter um protesto simples. Uma fileira de policiais acompanhou todo o ato, enquanto um micro-ônibus da PM acompanhou todo o trajeto por trás da marcha. Segundo um ativista no local que optou por não se identificar, “isso é uma amostra do que teremos com essa intervenção”.

Quando estavam próximos ao Theatro Municipal, algumas pessoas passaram a ser revistadas e antes da chegada dos manifestantes nas escadarias da Câmara Municipal, um cerco policial foi montado, impedindo que a massa acessasse o local, palco histórico de lutas e reivindicações carioca.

Após a chegada da manifestação na Praça Floriano (Cinelândia), e com o impedimento de ocupar as escadarias, novas revistas na ala do bloco independente, perpetradas por policiais encapuzados e alguns sem identificação, ocorreram. Não houve detenções ou confrontos.

Polícia Militar cerca as escadarias da Câmara Municipal. Foto: Bruna Santos

Foto: Rodrigo Duarte Baptista/AND

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja