PA: Moradores de Barcarena são vítimas de rompimento de barragens

A- A A+

Após denúncias emitidas pela própria população de Barcarena, localizada na mesorregião metropolitana de Belém, no Pará, a respeito da possibilidade do rompimento de barragens de rejeitos químicos da multinacional norueguesa Norks Hydro , o crime anunciado aconteceu na madrugada do dia 17 de fevereiro.

A indústria da Hydro, conhecida por praticar irregularidades territoriais, ambientais e sociais se situa próximo ao porto de Vila do Conde e processa minério de Bauxita para elaborar a matéria prima do alumínio. Entre as irregularidades, está a de que a empresa norueguesa construiu um depósito de resíduos em uma Área de Proteção Ambiental, onde vivem comunidades quilombolas.

Segundo relatos da líder quilombola, Maria do Socorro Silva, as áreas quilombolas estão a apenas mil metros da bacia, sendo eles os primeiros a serem atingidos com o rompimento da barragem. “Não vai sobrar um fio de cabelo nosso, nem os ossos. Meu Deus, precisamos que alguém nos ajude, a bauxita devora tudo. É soda cáustica, bário, chumbo e outras substâncias da morte'' afirma a liderança da comunidade Burajuba, poucos dias antes do vazamento ocorrer 

Famílias quilombolas e outros moradores da área lutam há anos contra os crimes ambientais da multinacional e alegam sofrer ameaças de morte e perseguições por conta das denúncias. O prefeito do município, Antonio Carlos Vilaça, é dono de várias empresas que trabalham em parceria com a Hydro. 

Em resposta ao alagamento em Barcarena, a Norks Hydro nega a culpa pelo ocorrido, atribuindo as causas para o volume excepcional de água e a coloração vermelha (cor decorrente do vazamento de bauxita) das enchentes em problemas climáticos e sociais da região que não envolviam a empresa. Até o momento não contribuindo com nenhuma assistência para os moradores da área.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza