PA: Camponeses de Canaã dos Carajás repudiam Vale

A- A A+
 

Reproduzimos a seguir nota enviada pelo Brigadas Populares sobre o enfrentamento dos camponeses de Canaã dos Carajás (PA) contra as manobras da mineradora Vale. 


Neste 22 de fevereiro a empresa mineradora Vale junto com sua serviçal, a prefeitura de Canaã dos Carajás, arquitetaram um circo completo de manobras para mais uma vez iludir o povo deste município, que já anda ressabiado de tantas farsas por diversas vezes colocadas para a população como algo que se possa dar credibilidade.

Desta vez chamaram de Audiência Pública Regularização Fundiária em Canaã dos Carajás e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS. Teria como objetivo buscar alternativas para a regularização fundiária do município de Canaã dos Carajás e juntar adesões para criação do Núcleo da ODS no município. Embora este último não estivesse explicito na programação.

Para compor a mesa e tratar das falácias trouxeram Carmem Bueno do departamento de Relações Político-Sociais da Secretaria Nacional de Articulação Social(PR/SEGOV/SNA), para tratar sobre 'Os objetivos de desenvolvimento sustentável e a promoção da agricultura sustentável'; advogada Luly Fischer, da UFPA (Universidade Federal do Pará), para tratar sobre regularização fundiária rural e urbana sob a Lei 13.465/2017; Asdrubal Bentes do Incra SR-27 (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para tratar sobre Titulação de assentamentos. Do município, fizeram parte do falatório: um representante da Vale, do Sindicato Rural Patronal e de secretarias da prefeitura. Para falar em nome dos trabalhadores e apresentar suas críticas e propostas, aceitou participar da mesa o Sr. José Ribamar, presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Canaã do Carajás.

Das mais ou menos quinhentas pessoas que participaram da audiência na sua maioria eram trabalhadoras e trabalhadores das áreas de acampamento que foram para cobrar do Incra a regularização de suas terras. Estiveram também no local mais ou menos duzentos(as) servidores(as) públicos municipais que estão em greve, para denunciar o poder público municipal. 

Depois de ouvirem as contraditórias e sem novidades falas dos(as) representantes de governo e da representante da Vale, trabalhadores e trabalhadoras tiveram a oportunidade de se manifestar. As falas foram voltadas para apontar contradições entre o objetivo da audiência e o que faz a Vale em degradação ambiental e em injustiça social massacrando trabalhadores, bem como o que não fazem os órgãos para regularizar as áreas de acampamento ocupadas pelas famílias de trabalhadores.

A dona Maria Alves, uma senhora de quase setenta anos de idade, do acampamento Planalto Serra Dourada, não economizou palavras para expressar sua indignação diante de tanto descaso e injustiças contra o povo pobre e da falta de lei que ampare os pobres diante das injustiças dos ricos, no caso da Vale.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Canaã dos Carajás teceu suas críticas ao modelo perverso de saque dos minérios com impiedosa destruição da agricultura familiar no município, pontuando quatro reivindicações:

  1. Que o Incra e o Terra Legal façam de imediato a regularização fundiária de todas as famílias acampadas, titulando e criando projetos de assentamentos;
  2. Que o prefeito destine 30% da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) para a agricultura familiar para que possamos desenvolver uma agricultura sustentável. 
  3. Que a Vale permita uma vistoria na e nos entornos da barragem de rejeitos do Projeto Sossêgo, por uma comissão coordenada pelo Movimento em defesa de Territórios Livres de Mineração.
  4. Que a Vale retire todas as liminares que foram expedidas contra trabalhadores dos acampamento

As faixas expostas nas proteções dos alambrados da quadra de esporte onde ocorreu a audiência, juntando-se às falas, expressaram a insatisfação dos(as) trabalhadores(as) com a Vale e os órgãos públicos, como também a certeza de que não esperam mais que dos órgãos e da empresa possam vir alguma solução para os problemas que eles próprios criaram. 

Muitos trabalhadores e trabalhadoras avaliaram que o que ocorreu de importante na audiência foram as manifestações de denúncias e reivindicações de seus direitos, bem como o aprendizado de que essa foi, como sempre, mais uma tentativa de enganação, e que precisam fortalecer suas organizações para fazer valer seus direitos.

Canaã dos Carajás, 22 de fevereiro de 2018.

Brigadas Populares- PA

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja