MS: Velho Estado retira crianças e adolescentes de famílias guarani e kaiowá

A- A A+
Crianças e adolescentes indígenas são retirados de suas famílias (que vivem em áreas de retomadas) pelo Conselho Tutelar. Foto de Ruy Sposati/Cimi

Com informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

 

Crianças e adolescentes guarani e kaiowá estão sendo retiradas de suas famílias pelo Conselho Tutelar e levadas para abrigos no cone sul do Mato Grosso do Sul, segundo denúncia da Aty Guasu, a Grande Assembleia Guarani e Kaiowá.

No município de Dourados, em junho de 2015, cerca de 60% das crianças e adolescentes presentes nas instituições e abrigos eram indígenas, o que em números absolutos correspondem a 50 crianças e adolescentes indígenas, de um total de 70. Os municípios de Caarapó, Ivinhema, Maracajú e Rio Brilhante abrigavam outras 15 crianças e adolescentes indígenas.

Com isso, no cone sul do estado existiam, em junho de 2015, 65 indígenas em instituições e abrigos, sendo que cerca de 80% destas instituições e abrigos eram particulares. Destas 65 crianças e adolescentes, 69% eram meninas e 31% eram meninos, sendo que 63% tinha de zero a onze anos de idade e 37% de 12 a 17 anos.

Em 62% dos casos o motivo de “acolhimento” da criança ou adolescente foi negligência dos genitores (abandono, alcoolismo etc.) e em 38% casos de violência. Mas o relatório “Plano de ação para a efetivação do direito a convivência familiar e comunitária de crianças e jovens indígenas junto a seu povo no Cone Sul do MS”, elaborado em 2015 pela Fundação Nacional do Índio (Funai), questiona a rotulagem de “negligência dos genitores” por parte do Conselho Tutelar:

“Ouvimos denúncias de retiradas sem qualquer explicação: retirar sem aviso, sem apresentar motivação, sem tempo para despedidas, sem falar com a criança na língua materna. Levar uma criança indígena para um lugar totalmente desconhecido dela, onde não tem ninguém de seu grupo de referência, ninguém parecido com ela, que fale e entenda seu idioma, que oferte os mesmos cuidados de higiene e alimentação de seu povo é apontado pelas famílias com as quais conversamos como uma violência gigantesca. Nos chama a atenção as denúncias categorizadas como negligência familiar, que impõem à família o rótulo de incompetente na criação dos filhos e não questiona os reais fatores de risco da família ou mesmo se se trata de adultos em condições físicas, psicológicas e sociais de cuidar e proteger crianças ou de uma família inteira em situação de violência e negligência estatal, que precisa primeiro ser cuidada e protegida. Não considera, sobretudo, a dívida histórica do Estado para com os povos indígenas e as consequências coletivas da violação de seus direitos”.

 

Criança em comunidade do Povo Guarani Ñandeva no tekoha Yvy Katu, situado entre os municípios de Japorã e Iguatemi - fronteira com o Paraguai. Foto de Ruy Sposati/Cimi

Problemas enfrentados por crianças e adolescentes nos abrigos

Preconceito e perdas das referências culturais são alguns dos problemas enfrentados por crianças e adolescentes indígenas que vivem em abrigos.

Segundo o relatório, “alguns profissionais ligados às instituições não demonstravam qualquer cuidado em verbalizar na frente das crianças suas impressões preconceituosas contra os povos indígenas e seus modos de viver”.

“Devido a distância com a comunidade, a criança vai se acostumando com a ausência dos parentes e conhecidos, vai se acostumando aos novos hábitos que lhe são impostos, esquece os costumes, a língua materna”, frisa outro trecho do relatório.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza