AM: Professores deflagram greve por direitos

A- A A+

Comitê de Apoio ao AND - Manaus/AM

Professores da rede pública estadual do Amazonas deflagraram greve no dia 22/03, após semanas de intensas mobilizações e lutas. A greve veio a oficializar a paralisação que há dias já ocorria em mais de 330 escolas por todo o estado.

A deflagração, no entanto, ocorreu em dois momentos distintos. Pela manhã, mais de 5 mil professores reunidos em frente à assembleia realizaram ato como primeira atividade de greve, que foi deflagrada sob direção do Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom-Sindical, entidade fruto do rompimento das bases com a direção sindical chapa-branca), no dia 16/03. De tarde, sob convocatória do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), cerca de 2 mil professores impuseram derrota à direção sindical, chefiada pelo Pecedobê, aprovando greve de toda a categoria.

A resposta

No dia seguinte à deflagração da greve, o velho Estado respondeu buscando se aproveitar da aparente polarização na representação sindical, encaminhando à Justiça estadual ação liminar declarando ilegal a greve sob direção da Asprom-Sindical, que foi de pronto assinada pela desembargadora, Maria do Perpetuo Socorro Teles.

Em meio à campanha de desinformação sobre a legalidade da representatividade sindical dos professores, em meio à greve fortalece-se a posição da necessidade de uma luta constante por direitos e contra o oportunismo que se arvorou durante anos no movimento docente do estado.

Governador é repudiado por professores no interior

Durante ato de entrega de títulos definitivos de terra no município de Boa Cista do Ramos, professores receberam o governador do estado ao som de palavras de ordem denunciando o descaso com a educação e o desrespeito aos professores. Amazonino fala a verdade, educação nunca foi prioridade!, gritavam os professores.

Como resposta, o governador, do alto do palanque, tratou os professores como “coitados”, dizendo que os mesmos estão sendo manipulados, palavras essas que atiçaram mais ainda os professores presentes que continuaram a gritar as palavras de ordem.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza