RJ: Jovens marcham no Dia do Estudante Combatente

A- A A+

Ao menos 600 estudantes secundaristas e universitários realizaram uma grande manifestação no dia 28 de março – Dia Nacional do Estudante Combatente –, no centro do Rio de Janeiro, e concluíram com uma ação no Clube Militar. O ato repudiou a intervenção militar, exigiu o fim do fechamento de escolas e universidades e a falsa regulamentação da profissão do pedagogo.

Estiveram presentes ativistas revolucionários do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), da Unidade Vermelha - Liga da Juventude Revolucionária (UV-LJR) e de jovens de outros movimentos populares. À frente do ato, marchavam estudantes com uma faixa estampando a palavra de ordem: Abaixo a intervenção militar! Viva a juventude combatente!.

Os jovens saíram em marcha às 16 horas pelo centro da cidade e, convidando todo povo trabalhador a se rebelar em defesa dos seus direitos e contra a intervenção militar, partiram da Igreja da Candelária em direção ao Clube Militar.

Um bloco vermelho e combativo de estudantes atirou, na fachada do Clube Militar, tintas vermelhas. Segundo o site do MEPR, a tinta “simbolizou o sangue vertido pelos melhores filhos e filhas do povo pela Revolução em nosso país”. Os jovens entoaram ainda palavras de ordem como Vitória, vitória, tarda mas não falha! Viva a Gloriosa Guerrilha do Araguaia! Nem intervenção, nem eleição, o povo quer é fazer revolução!.

O Dia do Estudante Combatente é por ocasião do assassinato do estudante jovem Edson Luís. Edson, aos 18 anos, foi assassinado brutalmente pelo regime militar-fascista durante um protesto no restaurante Calabouço, no Rio, em 1968 – no auge da repressão. Ele participava de uma manifestação contra o aumento no preço da refeição do restaurante universitário.

Além dele, os jovens no ato resgataram nomes como Osvaldão, Helenira Rezende, Manoel Lisboa e outros jovens combatentes foram erguidos como exemplos, na luta armada contra o regime militar. Os ativistas relacionaram a situação de 1968 com o atual momento, onde uma guerra civil reacionária é desatada contra as massas, sobretudo no Rio de Janeiro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja