Intervenção militar prossegue guerra contra o povo nas favelas e ignora chacina na Rocinha

A- A A+
 

No final de março e início de abril, mais de 4 mil militares das Forças Armadas (FF.AA.), Polícia Militar (PM) e policiais civis realizaram várias operações. Ao fim das mesmas, mais de 12 moradores foram mortos pela PM em operações dirigidas pelas Forças Armadas. Enquanto isso, os generais ignoram a chacina ocorrida no dia 24/03, na Rocinha.

No Complexo do Lins, no dia 27/03, ocorreu a maior operação desde a instalação da intervenção militar. Um total de 3.400 militares das FF.AA., 150 policiais militares e 350 policiais civis foram mobilizados, além da utilização de blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia. 

Foi constatado disparos contínuas por ao menos 15 minutos envolvendo agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) por volta das 2h e às 6h. O Exército deu cobertura para a ação de guerra cercando a comunidade.

A situação da Rocinha, no entanto, foi a que mais chamou a atenção. Lá foram assassinados os 12 moradores em 8 dias de operação. No dia 24/03, como já noticiamos no Portal de AND, a Batalhão de Choque da PM promoveu uma chacina para descontar nas massas desarmadas a morte de um policial ocorrida em uma operação de guerra movida contra a favela, dias antes.

Cinicamente e fazendo vistas grossas, o general Carlos Frederico Cinelli, porta-voz do Comando Militar do Leste, afirmou que “a polícia está presente na Rocinha protegendo a população”. “Os dados estão sendo processados, a Secretaria de Segurança tem ciência. Se for o caso de operações serem desencadeadas, serão desencadeadas”, disse o general, sugerindo mais repressão contra a comunidade, no dia 30/03.

O discurso de combate às drogas e o objetivo de resgatar a moral das instituições de segurança pública têm permeado as ações militares nas comunidades cariocas. Entretanto, o que tem se mostrado é a ampliação da guerra civil reacionária contra o povo e o crescimento de sua política de extermínio da juventude negra e pobre – ações dirigidas pelas Forças Armadas.

Crédito: Ellan

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja