EDITORIAL - Prisão de Luiz Inácio é mais um passo do golpe de Estado contrarrevolucionário em marcha no país

Dando prosseguimento aos atropelos do STF contra o que estabelece o artigo 5º da Constituição, que garante a presunção de inocência até que o processo seja “transitado em julgado”, o juiz Sérgio Moro decretou a prisão de Luiz Inácio, dando prazo para que ele se apresentasse em Curitiba até às 17 horas desta sexta-feira, 6 de abril.

Nunca na historia do Brasil foi dado a um juiz tanto poder quanto usufrui o juiz Moro. Isto é produto da crise de apodrecimento do velho Estado brasileiro em que os grupos de poder das frações das classes dominantes reacionárias aprofundam sua pugna pelo controle e hegemonia da máquina estatal e, para o que quem detém mais força impõe sua vontade, violando o seu próprio marco constitucional tão decantado como “Estado democrático de direito”.

Neste velho Estado de grandes burgueses e latifundiários a serviço do imperialismo, principalmente ianque (Estado burocrático e apodrecido), o seu sistema político baseado na farsa eleitoral, seus partidos e políticos assaltam os cofres públicos como seu modus operandi. Ou seja, a corrupção é uma prática generalizada que abarca a todos os agentes deste sistema político. Porém, a tão propalada defesa e cumprimento constitucional se torna tábula rasa quando se condena sem ter provas cabais dos crimes que acusam o ex-presidente Luiz Inácio.

Faz parte da história política brasileira o velho adágio “para os amigos, tudo; para os indiferentes, a lei; e para os inimigos, os rigores da lei”. 

Com a desmoralização de todas as instituições do velho Estado e os altos mandos das Forças Armadas assumindo o papel de “salvadores da democracia” ("democracia" achincalhada pelas próprias classes dominantes), o STF, em seção realizada sob a ameaça de baionetas, negou o Habeas Corpus impetrado pela defesa do acusado, numa demonstração de total desmascaramento da farsa da independência e separação dos três poderes, para não dizer subserviência e capachismo desta “egrégia” corte aos altos coturnos.

Esta atitude neste momento deixa claro, uma vez mais, a subserviência do velho Estado brasileiro e de seus agentes às imposições do imperialismo ianque e da récua de reacionários que, pateticamente, veem o espectro do comunismo no PT, só porque num dia, muito longínquo, foi de esquerda.

Para um partido e um governo de turno que deu tudo aos latifundiários, aos banqueiros, à grande burguesia e ao imperialismo, e ao povo deu a esmola assistencialista e enganosa do “bolsa família”, receber esta paga, ademais de triste ironia, é a comprovação do fracasso das ilusões do oportunismo em presidir a exploração e opressão do povo para este velho e genocida Estado.

Este acontecimento, de flagrante violação do próprio marco constitucional das classes dominantes reacionárias, soma-se ao assassinato covarde da vereadora Marielle, à intervenção militar no Rio de Janeiro, às chacinas de pobres nas cidades e massacres de camponeses como parte do golpe de Estado contrarrevolucionário preventivo à inevitável e violenta rebelião das massas contra este putrefato sistema de exploração e opressão sobre o povo e de subjugação da Nação ao imperialismo, principalmente ianque, e seus lacaios.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin