MS: Povos Guarani e kaiowá e Terena resistem às ameaças de despejo

A- A A+
 
Retomada da Terra Indígena Cachoeirinha em 2013. Foto de Ruy Sposati / Cimi

Os povos Guarani e Kaiowá e Terena nas últimas semanas têm sido ameaçados por uma série de mandados de reintegração de posse no estado do Mato Grosso do Sul. Entretanto, eles com coragem e determinação afirmaram que pretendem resistir a qualquer tentativa de despejo pelas forças de repressão do velho Estado.

A situação em Caarapó

Os guarani e kaiowá do tekoha Pindo Roky anunciaram que pretendem resistir às tentativas de reintegração de posse a serem cumpridas pelas Polícias Federal e Militar no município de Caarapó, sul do Mato Grosso do Sul.

A data para o cumprimento do mandado de reintegração de posse ainda não foi definido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª. Região (TFR), que negou o pedido de suspensão do despejo feito pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

No dia 9 de abril, frente ao anúncio dos guarani e kaiowá dos tekohas Guapoy e Jeroky Guasude que resistiriam a reintegração de posse, os mandados de despejo contra estas comunidades foram suspensos temporariamente por decisão emergencial do Supremo Tribunal Federal (STF).

O tekoha Pindo Roky, situado dentro da Terra Indígena Dourados Amambaipeguá 1, entrou na mira do Judiciário e das forças policiais. Contra ele existe um mandado de reintegração de posse expedido em favor do latifundiário Orlandino Carneiro Gonçalves, pretenso proprietário da fazenda Santa Helena. Ele é réu confesso no assassinato do guarani e kaiowá Denilson Barbosa, de 15 anos, em 2013.

A situação em Aquidauana

Os terena que ocupam as fazendas Água Branca e Capão das Araras, no município de Aquidauana, se mantêm alertas e mobilizados contra qualquer tentativa de despejo pelo velho Estado ou pelo latifúndio mesmo com a suspensão temporária dos mandados de reintegração de posse pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 9 de abril.

Os mandados foram solicitados pela empresa Vinepa Agropecuária e por Yonne Alves Correa, sendo concedidos pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3).

As fazendas Água Branca e Capão das Araras são sobrepostas a Terra Indígena Taunay-Ipegue, território dos terena.

Histórico de resistência

Nas últimas décadas, os guarani e kaiowá e os terena vêm avançando no processo de retomada do seu território tradicional, que foi sendo expropriado ao longo dos séculos e resultou no confinamento dos indígenas em reservas ou em acampamentos, normalmente às margens de estradas.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja