RJ:Intervenção militar promove operação de guerra na Praça Seca, no Rio

A- A A+

Policiais do 18º Batalhão da Polícia Militar (Jacarepaguá) e do Batalhão de Ações com Cães (BAC) fizeram uma operação na favela Bateau Mouche, na Praça Seca, zona oeste do Rio de Janeiro, no dia 15 de abril (domingo). A ação – dirigida pelas Forças Armadas, na pessoa do general interventor Braga Netto – terminou com dois homens mortos e levou pânico aos moradores da região em pleno domingo.

Relatos publicados nas redes sociais dão conta de um cenário de guerra, com trabalhadores trancados em casa para protegerem-se dos tiros.

“Num dia é a milícia e no outro é a polícia. A gente não tem mais sossego. Todo fim de semana a gente fica trancado em casa para não morrer. Se você ou sua família não tomam um tiro, a polícia te pega na rua, te agride, te mata, porque para eles todo mundo aqui é bandido. A favela está vazia, porque o povo não aguenta a violência e vai embora.”, diz uma moradora em mensagem enviada por aplicativo de mensagens.

Durante a operação da polícia, militares do Exército deram cobertura aos agentes com tanques de guerra e barreiras montadas nos acessos à favela.

Segundo dados do aplicativo Fogo Cruzado, comparando dados da região, nos dois meses que antecederam a intervenção militar, a Praça Seca teve 48 tiroteios, três mortos e dez feridos. Dois meses após a intervenção, os números são de 67 tiroteios, sete mortos e quatro feridos. Os dados escancaram o incremento da repressão proporcionado pela intervenção militar no Rio.

Há três semanas, um morador flagrou com o celular o momento em que grupos paramilitares (conhecidos como milícias) subiram o Bateu Mouche a pé e a bordo de veículos roubados para tentar tomar a favela de grupos delinquentes que dominam a região.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza