DF: Acampamento Terra Livre inicia hoje em Brasília

A- A A+

 

Protesto em Brasília durante o Acampamento Terra Livre do ano passado. Foto do Movimento Nacional Indígena (MNI) / Apib

O Acampamento Terra Livre (ATL) inicia o hoje em Brasília com o tema Unificar as lutas em defesa do Brasil Indígena – Pela garantia dos direitos originários dos nossos povos. A 15ª edição do ATL reunirá milhares de indígenas de diferentes regiões do país, que debaterão entre os dias 23 a 27 de abril a organização do movimento indígena nacional frente aos sistemáticos ataques do gerenciamento de turno de Michel Temer/PMDB aos seus direitos.

 

Se organizar para resistir e lutar

“Nunca como hoje, nos últimos 30 anos, o Estado brasileiro optou por uma relação completamente adversa aos direitos dos povos indígenas. O governo ilegítimo de Michel Temer assumiu uma política declaradamente anti-indígena pondo fim à demarcação e proteção das terras indígenas, acarretando a invasão dessas terras por empreendimentos governamentais e privados. Impulsionou ainda o desmonte das instituições e políticas públicas voltadas aos povos indígenas e está sendo omisso e conivente com as práticas de discriminação e violência de toda ordem contra os povos e comunidades indígenas até mesmo em territórios já regularizados. Medidas administrativas e jurídicas são adotadas para restringir os direitos indígenas.”, denunciou a convocatória do ATL, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) com o apoio de várias entidades democráticas e populares.

A convocatória lista de uma série de ataques cometidos contra os direitos do povo pela quadrilha de Michel Temer e Henrique Meirelles, tais como as contrarreformas trabalhista e previdenciária, a PEC 95 – que congelou o orçamento estatal por 20 anos – e o infame Parecer 001/2017 da Advocacia-Geral da União (AGU) – que pretende aplicar a tese do “marco temporal” ao processo de demarcação de todas as terras indígenas, defendendo que os indígenas apenas poderão reivindicar terras que ocupavam no dia da promulgação da Constituição Federal, 5 de outubro de 1988.

“Convergente com essa política, distintas bancadas anti-indígenas, principalmente as do agronegócio, do fundamentalismo religioso e da mineração, entre outras, se movimentam em torno de dezenas de Projetos de Emenda Constitucional (PECs) como a PEC 215 e Projetos de Lei (PLs) para regredir ou suprimir os direitos indígenas assegurados pela Constituição Federal, com o propósito de legalizar a invasão e usurpação dos territórios indígenas para fins de exploração ilegal dos bens naturais (solos, florestas, recursos hídricos, mineiros, biodiversidade) e a implantação de empreendimentos de infraestrutura (portos, hidrelétricas, estradas, linhas de transmissão) além da expansão das fronteiras agrícolas e da usurpação dos conhecimentos tradicionais. Fazem ainda parte dessa ofensiva do capital e seus comparsas nacionais as práticas de cooptação de lideranças indígenas, a divisão interna de povos e comunidades indígenas, os despejos judiciais e extrajudiciais, a intimidação, perseguição e assassinato de lideranças indígenas.”, frisou outro trecho da convocatória.

 

Solidariedade a luta dos povos indígenas

Como forma de prestar apoio e solidariedade a luta dos povos indígenas no Brasil foi lançado neste mês a animação “A troca”, que retrata os contatos entre os povos indígenas e os colonizadores em diferentes momentos entre os séculos até chegar a atual situação destes povos no país, onde o velho Estado nega e ataca diariamente os direitos das centenas de povos indígenas.

 

Programação

No ATL ocorrerão uma série de debates em encontros temáticos e nas plenárias, atos culturais e protestos nas ruas da capital do país.

Os eixos temáticos discutirão temáticas como o direito ao território e a política demarcatória do velho Estado burguês-latifundiário e as políticas estatais específicas aos povos indígenas referente a educação, saúde, trabalho etc.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza