BH: PM de Pimentel/PT ataca covardemente trabalhadores da educação


Reproduzimos abaixo nota da Liga Operária em repúdio ao covarde ataque da PM de Fernando Pimentel/PT contra professores da rede municipal de ensino de Minas Gerais em greve no dia 23 de abril.


PM de Pimentel (PT) ataca covardemente os trabalhadores da rede municipal a serviço de Kalil (PHS)

A Liga Operária repudia veementemente a covarde ação da polícia militar de Minas Gerais do gerente Fernando Pimentel (PT), que atacou com toda a brutalidade – própria de uma guarda pretoriana os professores, funcionários e crianças das UMEI’s, para dar guarida ao gerente municipal Alexandre Kalil (PHS). Os trabalhadores da Educação Infantil de Belo Horizonte, tentavam conversar com Kalil e se depararam com um forte aparato repressivo desse velho Estado burguês/latifundiário: a tropa do Batalhão de Choque da PM, Força Tático e um “Brucutu” (mais conhecido como caveirão) com jatos d’água, balas de borracha, sprays de pimenta, bombas de gás lacrimogênio e toda selvageria.

A polícia executou prisões de lideranças sindicais, como a professora Conceição Oliveira e o professor Wanderson Rocha - diretores do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede-BH). A professora Conceição foi jogada ao chão e colocada dentro de um camburão, ela já é aposentada e sofre de fortes dores de coluna. Já Wanderson foi jogado no camburão com brutalidade. Depois de ter sido arrastado até a viatura, perdeu os sapatos e os óculos. Outros dois manifestantes também foram detidos.

Esse absurdo foi tamanho, que até mesmo o gerente Alexandre Kalil (PHS) desceu do gabinete, para tentar fazer demagogia, alegando ao comando da polícia militar que não atendeu os trabalhadores das UMEI’s por que não estava marcado na agenda. Isso é um verdadeiro absurdo, só havia todo aquele aparato montado para “proteger” a sede da prefeitura, por que foi requisitado e essa requisição parte do gabinete do gerente municipal. A PM de Pimentel (PT) não poderia ter agido sem uma ordem expressa, principalmente por ter na manifestação crianças e idosos em um ato pacífico.

O comando da Polícia Militar de Minas Gerais alega que estava desobstruir as vias da Av. Afonso Pena e que os manifestantes se recusaram, mas segundo o Sind-Rede a via já estava sendo desocupada, por volta das 12hs e 30min. Já o gerente Kalil acusa de manobras políticas o ataque para tentativa de desestabiliza-lo, porém o mesmo Kalil afirmou, no período da greve dos trabalhadores em educação estadual, que não ia admitir fechamento de vias em Belo Horizonte. Tudo isso aconteceu, por que os trabalhadores das UMEI’s estão em luta por seus justos direitos e pela tão prometida equiparação da carreira:

- Hoje os professores do ensino fundamental (não tem equiparação) a educação infantil vai até o nível 15, enquanto que a carreira dos professores do ensino fundamental vai até o nível 24 e essa reinvindicação é mais uma das muitas promessas de campanha do gerente Alexandre Kalil (PHS).

Além do mais os professores das UMEI’s - Unidades Municipais de Ensino Infantil ganham cerca atualmente R$1.450 e os do ensino fundamental, R$ 2.100 - de acordo com o Sind-Rede há 131 UMEI’s em Belo Horizonte e 31 escolas municipais de educação infantil e cerca de 30 escolas de ensino fundamental que têm turmas de educação infantil. Dessas, 59 unidades estão totalmente paradas e 103 de forma parcial.

Nesse sentido a Liga Operária vem a público denunciar mais essa covarde ação da tropa repressiva desse velho Estado a PM do gerente Pimentel (PT) a serviço do gerente Kalil (PHS) e exige a imediata soltura dos sindicalistas e professores Wanderson e Conceição e dos dois manifestantes!

Abaixo o massacre contra o povo em luta!

Fora Kalil, Pimentel, Temer e toda corriola eleitoreira!

Viva a justa luta dos Trabalhadores da Rede Municipal de Ensino!

Vídeo produzido pelo coletivo 'jornalistas livres' denuncia a agressão

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin