Hungria: Novo governo é alvo de rebelião

A- A A+

Centenas de milhares de manifestantes foram às ruas na Hungria contra a reeleição do arquirreacionário Viktor Orban para o governo do país, durante o mês de abril, na capital Budapeste e em outras cidades. Orban, em seu terceiro mandato como primeiro-ministro, é abertamente contra os imigrantes e é frequentemente acusado de censurar a imprensa.

O primeiro grande protesto contou com 100 mil pessoas em Budapeste, no dia 14 de abril. De lá para cá, mais protestos têm ocorrido por todo o país, com maior relevo ao realizado no dia 21 de abril. Nesse dia, mais de 30 mil pessoas protestaram na capital.

Orban, seu partido populista e chauvinista Fidesz e seu governo arquirreacionário, com posições fascistas, são conhecidos por corrupção e, especialmente, por opressão. Viktor Orban fora acusado de praticar censura à imprensa local e utilizá-la como ferramenta de propaganda nessa disputa eleitoral. Momentos antes das eleições, Orban declarou que, quando vencesse, trataria de dar uma lição aqueles que se opõe a seu governo por meios “moral, políticos e legais”.

Segundo manifestantes entrevistados pelo monopólio da imprensa durante manifestação em Budapeste, no dia 21/04, Orban ganhou as eleições grande parte devido a censura imposta à imprensa. “Nosso objetivo principal é desmantelar o controle do Fidesz sobre a imprensa pública”, disse um manifestante.

Retórica anti-imigrante

A maioria das pessoas que protestam contra este novo governo com ingredientes fascistas são jovens, e muitas delas têm ilusões sobre a “União Europeia” e a chamada “democracia burguesa” como via para contrapor o nacionalismo chauvinista, o que, apesar de não dar soluções adequadas aos problemas do país, não torna menos legítimo.

O governo de Orban apoia-se, grande parte, na retórica anti-imigração para atiçar o chauvinismo e angariar a base social para apoiá-lo em meio a esse caldo de cultura de tipo fascista.

Toda sua propaganda arquirreacionária tem um eco no seio das massas populares, que receiam um retorno à crise econômica. A Hungria passou por um colapso econômico em 2010, fruto do impacto da crise econômica do imperialismo de 2008. Naquele ano, mais de 1 milhão de pessoas estavam desempregadas na Hungria – um país com 9 milhões de habitantes. Esse temor é manipulado pelo governo arquirreacionário que, utilizando-se de ingredientes fascistas, atiça as massas nativas contra o fantasma dos imigrantes, acusando-os de serem potenciais “ladrões de empregos”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja