RJ: Polícia leva a cabo 28 chacinas somente em 2018

A- A A+

Ao menos seis pessoas foram mortas na Cidade de Deus (CDD), zona oeste do Rio, em uma operação integrada das Unidades do comando de operações especiais (COE), do 18º BPM (Jacarepaguá) e da UPP Cidade de Deus, no dia 3 de maio. Sete pessoas foram baleadas na operação e todas foram levadas o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste, sendo que quatro já chegaram mortas à unidade e outras duas morreram momentos depois. Os dados referentes ao quantitativo de mortos na operação foram extraídos do aplicativo Fogo Cruzado.

As informações foram divulgadas dia 2 juntamente com um dado assustador sobre a letalidade das operações policiais em 2018, ano que encontra-se sob a intervenção militar e o comando das Forças Armadas. Segundo os dados – detalhados na imagem acima – o ano teve ao menos 28 operações policiais com três ou mais mortes. A Rocinha e a Cidade de Deus despontam como as favelas mais assoladas pela violência do velho Estado em sua versão mais mortífera. Na Rocinha, em duas chacinas do velho Estado esse ano, 11 pessoas foram mortas; e na Cidade de Deus, 9 pessoas foram mortas em duas chacinas.

As mais sangrentas das chacinas relacionadas pelo aplicativo Fogo Cruzado foram motivadas pelo desejo de vingança da polícia após o assassinato de um policial. Tanto no caso da Rocinha, no final de março, ocasião em que oito pessoas foram mortas; quanto no caso recente da Cidade de Deus, as operações aconteceram logo após o assassinato de um policial. No caso de ontem, o massacre na CDD foi uma retaliação ao assassinato do capitão Estefan Cruz Contreiras, que era lotado no 18º BPM, que foi uma das unidades que participou da operação do dia 3.

O crime levou o comandante do batalhão, coronel Marcos Netto, a convocar seus comandados para uma “guerra sem trégua”, mensagem de áudio divulgada amplamente nas redes sociais e pelo aplicativo Whatsapp.

— Quero pedir a todos vocês que se empenhem ao máximo, buscando quem quer que seja, em qualquer buraco, viela, casa, seja lá onde for, os assassinos do Contreiras — esbravejou.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira