INTERVENÇÃO MILITAR: Soldado executa jovem que não parou em blitz

A- A A+

O jovem trabalhador Diego Augusto Ferreira, de 25 anos, foi executado pelo Exército por furar uma blitz, a um quilômetro de sua casa, no bairro de Magalhães Bastos, zona oeste do Rio, no dia 12 de maio (véspera do Dia das mães). Ao passar por uma barreira montada por militares, o jovem – que tinha problemas de audição, estava sem capacete e sem habilitação – não parou e foi executado por um tiro de fuzil, no pescoço. Ele morreu rapidamente, no local. Ao culminar o crime, os próprios militares adulteraram a cena do crime, que não será investigado como crime comum.

O rapaz trabalhava como camelô na Uruguaiana – área comercial popular no Centro da cidade – e morava com os avós. Ele havia saído de casa com uma moto emprestada de um vizinho para comprar óleo para o carro do avô. Segundo parentes, ele tinha problema auditivo e isso teria o levado a não ouvir a ordem dos militares.

— Eu te pergunto: qual a necessidade de dar um tiro no pescoço e não na moto? Diego era um rapaz trabalhador, vendia bolsas na Uruguaiana. Aquele menino não escutava direito, a moto ainda era barulhenta, ainda tem o barulho de trânsito do lugar. Mas preferiram atirar e mataram meu neto — denunciou a avó do rapaz, a aposentada Vera Lúcia Marcelino, de 67 anos. E prossegue: — Passei muito mal quando vieram avisando que ele estava caído no chão lá. Entrei em pânico. Não tive nem coragem de chegar perto. Está todo mundo revoltado aqui.

Moradores respondem

Horas depois, moradores realizaram um protesto na região. Um ônibus foi incendiado em repúdio à execução – a primeira diretamente executada pelas Forças Armadas. 

Militar investiga militar

Como prevê a nova lei sancionada por Temer, o caso será investigado em um Inquérito Policial Militar (IPM), e não pela polícia civil, como acontece com os crimes praticados por policiais militares. Desde a publicação da lei 13.491 no diário oficial em outubro de 2017, o tratamento especial para crimes cometidos por soldados das Forças Armadas tem sido um empecilho para a elucidação de crimes como o que vitimou o jovem Diego, dado o conhecido corporativismo na instituição.

O crime do soldado será entregue, após investigação conduzida por militares, para ser julgado pela Justiça Militar.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza