BA: Encontro de mães exige justiça por filhos assassinados pelo velho Estado

A- A A+
 

Mulheres e familiares de vítimas da violência de Estado, no Brasil e Colômbia, se reuniram para o III Encontro Internacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo de Estado, que ocorreu entre os dias 17 e 20 de maio, em Salvador, para exigir justiça nos casos de jovens mortos pelas mãos da polícia. “Para as mães que tiveram seus filhos assassinados brutalmente, maio representa o mês de luta em memória das vítimas e da busca por justiça e responsabilização do Estado pela política de terrorismo que vitimiza nossos filhos, quase sempre negros e pobres”, afirma Rute Fiúza, uma das organizadoras do evento.

Entre os temas de discussão do encontro estavam: a criação do Fundo de Reparação Econômica, Psíquica e Social aos Familiares por parte do Estado; aprovação de projeto de lei que visa a criação da Semana Estadual de Luta das Mães e Familiares Vítimas da Violência do Estado no mês de maio, entre outras pautas.

“O Encontro da Rede Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo do Estado tem o objetivo de fortalecer a luta por justiça daqueles que perderem seus familiares, dando visibilidade às violações de direitos perpetradas pelo Estado, além de ser um momento de troca de experiências entre os familiares, que vivem o cotidiano da ameaça e da repressão, e buscam a construção da memória de seus filhos.”, lembra Rute Fiúza.

No Brasil, uma das articulações mais conhecidas é o Movimento Mães de Maio, criado para mobilizar familiares e amigos das vítimas da chacina de maio de 2006, e continuou expandindo sua atuação para organizar mais mães que perdem seus filhos pelas mãos da polícia. Considerada a maior chacina do século XXI e provavelmente a maior do país, a tragédia de maio de 2006 foi um episódio em que em que ao menos 564 pessoas foram assassinadas por policiais em São Paulo. Entre elas, 400 jovens pretos e pobres. Mais de dez anos depois, apenas um agente da repressão foi responsabilizado pelo crime, que responde, atualmente, a recurso em liberdade e continua atuando como policial militar.

Cerca de 21,9 mil pessoas foram mortas pelas polícias de todo o país entre 2009 e 2016, de acordo com os dados subestimados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O Rio de Janeiro sozinho conta com mais de 16 mil pessoas assassinadas de 1997 até hoje, segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP). Na Bahia, 1.759 pessoas foram assassinadas entre 2012 e 2016. Em São Paulo, no mesmo período, foram 4.004 homicídios decorrentes da ação policial.

Apesar de altos, esses números não chegam sequer a incluir os milhares de “desaparecimentos” promovidos pelos agentes do Estado em todo o país. O movimento de mães e familiares tem tomado rumos cada vez mais combativos frente ao incremento da guerra civil reacionária contra o povo pobre.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja