Favelas cariocas sofrem ataque massivo das tropas do velho Estado

A- A A+

Foto: Ellan Lustosa/AND

O dia 7 de maio foi um dia de terror para moradores de várias favelas das zonas norte, sul e oeste da cidade do Rio de Janeiro. Ainda era noite quando mais de quatro mil militares das Forças Armadas se aprontavam para atacar as favelas Cidade de Deus (CDD), Gardênia Azul, Outeiro, Vila do Sapê, Parque Dois Irmãos, Morro da Helena, Rocinha e Vidigal. A ação parou a cidade e militares chegaram a fechar os dois sentidos da Estrada Grajaú-Jacarepaguá, uma das principais ligações entre a zona norte e a zona oeste.

A ação mais violenta aconteceu na Cidade de Deus, onde as escolas e postos de saúde fecharam as portas e o tiroteio começou ainda as 6 horas da manhã, quando militares chegaram atirando para todos os lados, matando uma pessoa e ferindo outras quatro. Todos os feridos foram atendidos no hospital Lourenço Jorge. Enquanto isso, o monopólio dos meios de comunicação anunciava que 200 mil pessoas estariam sendo “beneficiadas” pelas ações de guerra do velho Estado.

— Operação de guerra na CDD hoje aterrorizando moradores sem que nenhum poder instituído faça nada para modificar essa rotina de terror, pelo contrário, apenas dão mais aval para atos criminosos praticados pelas forças policiais. Arrombam portas, entram nas casas, destroem tudo, agridem as pessoas — denunciou a moradora Laís Araújo, na página do Coletivo Bota a Cara CDD.

Na manhã do dia seguinte, as favelas da zona oeste e do Complexo do Lins mais uma vez foram atacadas pelas tropas do velho Estado e, além disso, o Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, foi incluído na lista de favelas invadidas. Desde as 6 horas da manhã moradores relatavam tiroteios em várias partes do complexo de 17 favelas, veículos blindados circulando por toda a manhã, comércio, postos de saúde e escolas fechadas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza