RO: Conferência celebra 200 anos de Karl Marx na UNIR

A- A A+
 

UM ESPECTRO RONDA PORTO VELHO: COMEMORAÇÃO AOS 200 ANOS DE KARL MARX NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA – UNIR

No dia 12 de junho de 2018, celebrou-se com vigor revolucionário a atualidade de Marx e seus continuadores na Conferência 200 Anos de Karl Marx: De Marx ao Marxismo na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus de Porto Velho. O evento foi organizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisas "História, Sociedade e Educação no Brasil" - HISTEDBR-UNIR e pelas organizações estudantis combativas que atuam nessa Universidade, tendo como expositora a Prof.ª Drª Marilsa Miranda de Souza. Na abertura do evento foi entoado com vigor o Hino do proletariado, A internacional e um estudante ativista do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) fez a abertura falando da importância de se comemorar os 200 anos do nascimento do grande Karl Marx.

Dezenas de estudantes, professores e ativistas organizados ouviram atentamente a palestra da professora que tratou da atualidade do Marxismo como a teoria científica mais avançada que se viu e se verá na Terra, pois ele desenvolveu a concepção materialista da natureza e da história. Ressaltou que o pensamento de Marx se desenvolveu, transformando-se em Marxismo, porque ele sempre esteve fundido na prática às lutas da classe operária; com perfeito manejo da Linha de Massas, o que permitiu a sistematização da ideologia do proletariado, poderoso instrumento teórico e prático para transformar o mundo. Ao apresentar a trajetória de Marx, a palestrante expôs que o Marxismo foi produto da luta de duas linhas que se deu na direção do movimento operário europeu e do Partido Comunista à época, em que Marx e Engels atuaram como fração vermelha derrotando as posições reformistas burguesas. Enfatizou-se que Marx desenvolveu a mais elevada compreensão que a tomada do poder só pode ocorrer por meio da violência revolucionária e da ditadura do proletariado e que essa concepção foi assimilada e aplicada por Lênin e Stálin na União Soviética e pelo Presidente Mao Tsetung na China.



A palestrante ressaltou que os aportes teóricos e práticos de Lênin, formou o Leninismo, como segunda e nova etapa do Marxismo, um divisor de águas entre comunistas e revisionistas na primeira metade do século XX e que hoje dispomos de uma terceira, nova e superior etapa do desenvolvimento do Marxismo que é o Maoísmo. Sob o marxismo-leninismo-maoísmo hoje se desenvolvem guerras populares em vários países do mundo como a Índia, Peru, Turquia e Filipinas. Foram apresentadas fotos da guerra popular nesses países como slides. Ao final da palestra ecoaram pelo auditório muitas palavras de ordem como: O povo prepara sua rebelião, se abre um novo tempo para a revolução!

Após a exposição houve um debate caloroso, com muitas perguntas e intervenções o que possibilitou que a palestrante tratasse de várias questões importantes em relação às experiências socialistas desenvolvidas na URSS e na China, pelo Presidente Mao Tsetung. Como não podia faltar num debate como esse, houve questionamentos e dúvidas em relação ao governo de Stálin, com respostas claras sobre as transformações sociais no socialismo, o papel dos contrarrevolucionários na URSS e na China e a luta contra o revisionismo. Uma estudante interviu perguntando sobre a questão feminina no socialismo que foi respondida com uma explanação sobre a origem da opressão feminina, com uma crítica dura ao feminismo burguês, sobre os avanços em torno da libertação da mulher nos países socialistas e sobre o papel destacado da mulher como metade da classe no processo revolucionário. Houve um retumbante grito de ordem: Para mulher se libertar de toda a opressão, só com a luta proletária e a revolução! Despertar a Fúria revolucionária da Mulher!

Na segunda parte do debate houve a discussão sobre a realidade do nosso país. A palestrante explicou sobre a origem da crise econômica, sobre a semifeudalidade e a questão agrária, os processos de dominação do imperialismo que saqueia todas as nossas riquezas, da possibilidade de uma intervenção militar contrarrevolucionária preventiva, já que as classes dominantes temem a rebelião popular e a Revolução de Nova Democracia. Novas palavras de ordem, acompanhadas de todo o público: Fascistas não passarão! E ainda: Eleição é farsa não muda nada não, organizar o povo para fazer revolução! A exposição encerrou-se com defesa da Revolução como única forma de tomada do poder pelo proletariado e demais classes exploradas, rechaçando a farsa eleitoral e o cretinismo parlamentar, e atentando para a necessidade da luta contra os revisionistas, seguindo o exemplo de Marx e de outros grandes líderes do proletariado ao longo da história. A agitação tomou conta do público que aclamou juntamente com os ativistas muitas palavras de ordem, dentre elas: Viva os 200 anos de Karl Marx!

O Comitê de Apoio do Jornal A Nova Democracia, além da intervenção em plenária sobre o papel da imprensa popular e democrática, organizou uma banca de venda de exemplares de edições anteriores e novas do jornal e também de materiais de propaganda revolucionária.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja