5 anos das Jornadas de Junho de 2013 - Editorial da histórica edição 'Viva a Juventude Combatente!'

A- A A+
Pin It

Reproduzimos, por ocasião dos 5 anos das Jornadas de Junho de 2013, uma série de matérias a recordar o que foi este marco da luta popular de nosso país, onde abriu-se um novo ciclo da luta de classes.

Segue abaixo o editorial da edição nº 112 de AND, com a manchete 'Viva a Juventude Combatente!', que analisava a situação política e os vigorosos levantes de massa que estouraram por todo país durante os meses de junho/julho de 2013.


 

A juventude se levanta, toda a canalha treme!

Explosões da juventude em várias grandes cidades do Brasil, 100 mil no Rio, 80 mil em SP, e agora já são centenas de milhares nas capitais, grandes e médias cidades do país. A princípio contra os abusivos e sequenciais aumentos das tarifas dos transportes públicos, destamparam mais uma vez um caldeirão lotado de motivos para a justa rebelião das massas no Brasil.

E tem sido assim: basta uma gota para transbordar todo o ódio represado por incontáveis crimes cometidos contra o povo por esse Estado genocida, que já há 12 anos é presidido pelo oportunismo de PT/PSB/PCdoB, apoiados no rebotalho da politicagem e da corrupção.

À gente do povo, é fácil compreender porque os protestos de centenas de milhares já não se dão apenas por 10, 15 ou 20 centavos das passagens de transportes. Logo do início, as demandas se ampliaram enormemente e expuseram as entranhas da política eleitoreira, da usurpação de direitos fundamentais, da superexploração dos trabalhadores, os abusos de toda ordem, a criminalização da pobreza e dos movimentos populares, e a matança de pobres.

Toda a ofensiva lançada por Lula e Dilma contra os camponeses em luta pela terra para adular o latifúndio e apostar no "agronegócio" como salvação da economia não pôde deter a luta dos pobres do campo. Ninguém mais do que eles, que antes de se engancharem no topo do velho Estado, prometiam tanto aos camponeses e são exatamente os que mais repressão e assassinatos têm cometido contra lideranças e massas em luta. E quando não se trata de assassinatos cometidos pelos próprios agentes do Estado, é o gerenciamento petista que encoraja e se coaduna com a livre ação dos bandos armados pelo latifúndio, através da covarde criminalização que faz da luta pela terra.

Nas cidades vigora a brutalidade sistemática contra os pobres de favelas e periferias com a militarização e a aplicação de um Estado de sítio não declarado a título de "política de pacificação", que humilha, rouba, tortura e assassina pobres.

E tinha que ser um "governo" desse "Partido dos Trabalhadores" vendido ao capital para massacrar de forma tão vil os operários, particularmente nas obras bilionárias do PAC, repressão às greves, prisões e tortura de operários, etc.

Não com menor fúria genocida ataca os povos indígenas, expulsando-os diariamente de seus territórios em defesa dos interesses dessa chaga purulenta do latifúndio, como recentemente assassinou o Terena Oziel.

Ademais das greves de professores e funcionários públicos, greves estudantis e ocupação de reitorias, greves e rebeliões operárias e tomadas de terra que nos últimos anos tem sacudido o país, também já de algum tempo cresce o clamor em mobilizações continuadas pela punição dos criminosos do regime militar (mandantes e executores de torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados) e manifestações contra a farsa das eleições.

Tudo isso, mergulhado no caldo de cultura da crise geral de superprodução do capitalismo que ronda o mundo, cujos impactos na economia endemicamente enferma de nosso país, não podem ser mais escondidos pela gerente Dilma. Crise que afeta diretamente a vida do proletariado e demais trabalhadores, vai impelindo crescentemente as massas para a luta e expondo rachaduras nos arranjos das classes dominantes e de seus lacaios à frente desse Estado em decomposição. Os gerentes de turno não conseguem mais seguir governando como antes, não poderão seguir governando como antes!

Já não poderá funcionar sua abominável política de pão e circo – pão da bolsa família e da farra do crédito e circo da Copa e Olimpíadas – para alienar e embrutecer as massas. O basta a todo esse fascismo sofisticado, Senhores, iniciou-se!

E já preocupados com a farsa eleitoral de 2014, PT e PSDB, que dividem o governo de São Paulo, se uniram para proferir um discurso de rara sintonia, revelando que, mais que a política econômica, os une um profundo ódio a tudo que cheire a povo consciente, independente. Descarregam todo o arsenal repressivo nos jovens em luta, jornalistas e transeuntes.

Sonhando que o aumento brutal da repressão pudesse sufocar a rebelião popular, taxada sempre e ao estilo dos generais gorilas por badernas, o que viram com assombro foi o contrário. Que o afluxo poderoso de pessoas a esses protestos é tanto maior quanto mais atrocidades são cometidas por suas polícias cevadas nos genocídios de pobres. E como que pegos em flagrante delito da mentira, celeremente trocam a toada, somando-se ao novo coro orquestrado por essa imprensa reacionária, de que agora se trata de movimentos pacíficos e que os distúrbios são atos de uma minoria de vândalos. É o velho cacarejo da minoria subversiva infiltrada!

Senhores, nos movimentos de massas há um pouco de tudo, há também pacifistas, naturalmente, e inclusive gente que pensa que o é até sair às ruas e ser agredida covardemente pelas hordas armadas até os dentes por vocês enviadas. Não se preocupem, este é um problema dos manifestantes, o de vocês é de como safar-se e seguir enganando. As massas saberão resolver democraticamente sobre os métodos de luta a empregar. E nisto a experiência histórica é pródiga em demonstrar que, na ação espontânea, é no seu próprio curso que as massas elegem seus métodos e formas de luta, segundo o que lhes propõem suas lideranças mais comprometidas e firmes e em correspondência ao que a reação contra elas arremete. E essa nova fase da luta popular está apenas em seus inícios.

E como não poderia deixar de ser o monopólio de imprensa, depois de ver agigantar o mar de massas nas ruas, tenta tanger o movimento e a rede Globo já quer dirigir os protestos, editando suas imagens para provar que agora as manifestações são pacíficas e que só uma minoria é que pratica vandalismo. Ora veja! Esses editorialistas dos meios mais reacionários, mal iniciaram as manifestações outro dia, apressaram-se em cobrar a prisão de manifestantes, de enquadrá-los por "formação de quadrilha", como não bastasse ser a ação dessa polícia bestial e genocida. Querem mais, que se passe a tratar as lutas populares como terrorismo, numa antecipação do que já vem sendo gestado há anos como meio de prevenir os levantes populares.

Não por acaso, estima-se que até o fim de junho seja aprovada na Câmara federal o projeto de lei antiterrorismo acalentado pela gerência PT/FMI e ditado pelo imperialismo ianque com a desculpa da proteção aos megaeventos esportivos sediados no Brasil.

A outra frente de atuação das siglas oportunistas (além de reprimir desde os aparatos de onde manejam) é dividir para dominar, algo já bastante conhecido. Assim, a juventude do PT e PCdoB, a UNE e outros grupos governistas vem tentando sistematicamente usurpar a direção das manifestações e fracassando, já que vem sendo rechaçadas suas bandeiras pelas massas indignadas, que atacam também repórteres da Globo e automóveis da emissora. Estes e outros partidos eleitoreiros que se travestem de "esquerda" podem enganar, quando não uns poucos e já são repudiados nas manifestações.

Outras siglas eleitoreiras como PSOL e PSTU também se esmeram para usurpar a direção das manifestações e imprimir nelas seu reformismo tacanho, fracassam também, pois quando a polícia parte para cima das massas, enrolam suas bandeiras e fogem covardemente, para depois, desavergonhadamente, condenar a justa violência da juventude combativa, fazendo parte do asqueroso coro da reação. E o rechaço dos manifestantes aos partidos é expressão da ira da juventude a toda essa podridão dessas eleições farsantes e corruptas.

A grande verdade é que desde o fim de 2011 o mundo vem sendo varrido pelos ventos da rebelião. A juventude do norte da África e Oriente Médio deu demonstrações de infinita bravura, conquistando direitos e derrubando governos em sangrentos combates que resultaram em morte e destruição. Na Grécia o povo ocupa quase permanentemente as ruas e também paga sua cota de sangue para não afundar na miséria extrema imposta pelo capital financeiro internacional.

Dessas manifestações é da Turquia é que irradiam as mais vigorosas demonstrações de combatividade, espírito e moral de classe dos explorados e oprimidos. Lá também uma aparentemente localizada luta deu origem a um movimento multitudinário por todo o país, que vem enchendo os olhos do mundo e obrigando o imperialismo ianque a adiar seus planos de um Novo Oriente Médio. Diferentemente dos outros países, onde houve revezes e perda da direção para as forças reacionárias, na Turquia pode-se esperar algo mais consequente e duradouro, visto que lá se desenvolve há quatro décadas heroica guerra popular dirigida por um partido comunista provado no fogo das batalhas pela expulsão do imperialismo, pela destruição do fascista Estado turco e pela construção de uma nova democracia.

Nada de grande jamais foi conquistado pelo povo dando flores a repressores e genocidas. Todas as revoluções vitoriosas se ergueram sobre a destruição de tudo que era velho e reacionário. Mais que nunca, é válida a consigna de que "a rebelião se justifica".

Desde nossa trincheira saudamos calorosamente nossa bela juventude em luta nas cidades brasileiras, na Turquia, na Palestina, no Chile, em todo mundo enfim.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja