Povo se levanta após chacina no Complexo da Maré

A- A A+
 

Sob o comando e com participação do Exército, uma força tarefa da Polícia Civil com a Força Nacional promoveu uma chacina e assassinou pelo menos sete moradores do Complexo da Maré, em uma operação de tipo terrorista, no dia 21 de junho. Uma das vítimas foi o estudante de 14 anos Marcos Vinicius da Silva, baleado na barriga mesmo vestido com uniforme escolar.

Segundo denúncias de moradores em redes sociais, houve também execuções sumárias. A página Favela da Maré, em rede social, publicou um relato de moradores denunciando, em anonimato, que policiais invadiram uma casa e mataram três jovens. A página publicou uma foto mostrando um banheiro repleto de sangue como a cena do crime.

O caso mais escandaloso, no entanto, é o do menino Marcos Vinicius. Ele foi executado quando estava se dirigindo à escola, atrasado. A versão oficial é de “bala perdida”, mas o próprio garoto afirmou à sua mãe, antes de falecer, que foi alvejado pelo “caveirão” – veículo blindado da Polícia Militar. “Ele disse: ‘mãe, eu sei quem atirou em mim. Foi o blindado, mãe. Ele não me viu com a roupa de escola?”, conta a diarista Bruna Silva, mãe.

Ela prossegue denunciando que os policiais foram advertidos por moradores antes de executarem o estudante: “Uma moça me disse que gritou: ‘não atira, é uma criança, ele está com roupa de escola’. Só que eles não ligaram e atiraram”, lamenta Bruna. Policiais ainda impediram a ambulância de socorrê-lo.

“O Estado alvejou uma criança indo para escola. Eles entram na comunidade para destruir família.”, indigna-se a diarista.

O pai de Marcos Vinicius, o pedreiro José Gerson da Silva, também condenou a operação policial. “Foi um erro da polícia. Como eles não viram o uniforme escolar? Uma mochila abóbora? Eles viram meu filho e mesmo assim atiraram.”.

Rebelião contra chacina

Na noite do mesmo dia, após a notícia do falecimento de Marcus Vinicius, moradores da Vila dos Pinheiros e da Vila do João, revoltados, bloquearam a Avenida Brasil, perto de Bonsucesso, a Linha Vermelha e Linha Amarela, próximo da Vila do João, no Complexo da Maré (as três das principais vias expressas do Rio de Janeiro). Os protestos duraram mais de quatro horas ininterruptas. Um carro da polícia e um ônibus foram incendiados pelas massas.

Na Linha Amarela, manifestantes ergueram barricadas e enfrentaram a polícia. Os policiais da Tropa de Choque atiraram com bombas de gás e até com munição letal contra os moradores revoltados.

Vídeos mostram policiais reprimindo mesmo manifestantes estudantes, ainda durante o dia. Uma jovem quase teve sua perna atingida por um golpe de estaca dado por um policial militar, em meio a um protesto absolutamente pacífico.

Massas incendiaram ônibus na Avenida Brasil, próximo a Bonsucesso, na madrugada do dia 21

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja