RS: Pistoleiros ameaçam retomada guarani mbya

Seis homens armados e que se diziam policiais ameaçaram de despejo os guarani mbya que vivem em acampamento situado na localidade conhecida como Ponta do Arado, zona sul de Porto Alegre, no dia 17 de junho.

Dois dias antes, os indígenas haviam ocupado uma área localizada entre dois latifúndios, que foram formados a partir da expropriação das terras dos guarani mbya.

Segundo denúncias ao Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os pistoleiros afirmaram que iriam removê-los à força e que estariam se organizando para a remoção, com a convocação de pistolei ros de outras regiões. Ainda de acordo com os guarani mbya, os homens armados provavelmente estavam a serviço de latifundiários da região, que tiveram fazendas ocupadas.

Os indígenas exigem que a Fundação Nacional do Índio (Funai) inicie o processo de demarcação da terra indígena.

As retomadas realizadas pelos guarani mbya permitem a eles reproduzirem o seu modo de vida, de trabalho e manifestações culturais.

“Os guaranis ficam relegados a viver nas margens das rodovias ou em pequenas porções de terras degradadas, que são as sobras do que o Estado lhes oferece. Então, no caso da Ponta do Arado, a área tem as condições ambientais, ecológicas, espirituais, tem água boa, mata boa, animais. É uma área que tem significado profundo no modo de ser guarani, da vida no tekoá”, frisou o integrante do Cimi, Roberto Liebgott, em entrevista ao jornal Sul 21.

A retomada dos guarani mbya situa-se em uma região marcada pela presença de um sítio arqueológico guarani, de latifúndios voltados para a pecuária extensiva e uma área de preservação ambiental, sendo banhada pelo Lago Guaíba. A área atrai o interesse do setor imobiliário, chegando a existir um projeto que pretende construir um condomínio de 2,3 mil unidades residenciais e comerciais, que colocaria em risco o ecossistema da região.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza