Jovens proletários incendeiam veículos e prédios do governo contra execução policial na França

A- A A+
 

Mais de 100 carros e prédios governamentais foram incendiados em três dias consecutivos de violentíssimos protestos na França, em repúdio e vingança pela morte de um jovem proletário, assassinado por um policial na cidade de Nantes (300 quilômetros a oeste de Paris).

As ações de protesto violentas estão sendo realizadas por jovens proletários pertencentes aos subúrbios franceses (os chamados banlieue) desde o dia 3 de julho, quando foi executado o jovem.

No dia 5, mais de 50 carros foram incendiados e, um dia antes, o saldo foi 52. O carro da prefeita de Nantes está entre os veículos destruídos pela justa ação dos jovens. Ao menos oito prédios e edifícios públicos foram também alvo da rebelião. Mais de mil pessoas marcharam na cidade de Nantes exigindo justiça e a verdade sobre o caso.

Não só em Nantes ocorreu focos de rebelião. No subúrbio de Paris (Garges-lès-Gonesse), onde morava o jovem assassinado, os jovens atacaram uma viatura policial que rondava pelo bairro. Latas de lixo também foram incendiadas e colocadas nas ruas como barricada.

No dia 3, o primeiro dia dos protestos, os jovens foram espontaneamente foram às ruas. Pedras e coquetéis molotov foram utilizados. Os focos de rebelião ocorreram por toda parte em três bairros da cidade: Breil, Malakoff e Dervallières, todos no subúrbio, para logo expandirem-se outras regiões da França.

Execução

O jovem, cujo nome não foi divulgado, foi morto com um tiro certeiro na jugular. Ele tinha 22 anos e teria feito uma manobra no carro para evitar passar por um posto de controle no bairro de Breil, em Nantes.

Segundo moradores e testemunhas, o jovem era conhecido e bem visto por toda a vizinhança; há relatos que o jovem não era envolvido com a delinquência, como tentou qualificar a polícia.

Os banlieues são, historicamente, grandes barris de pólvora devido à brutal exploração e opressão que são submetidos os seus moradores, normalmente imigrantes do Norte da África ou descendentes e massas trabalhadoras muito pobres. Talvez o episódio de rebelião que mais repercutiu ocorreu em 2005 quando milhares de jovens dos banlieues se levantaram por todo o país em violentíssimos protestos contra a brutal violência policial.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja