Marrocos: Sentenças injustas lançam massas ao protesto

A- A A+

Milhares de pessoas protestaram, no dia 15 de julho, contra a condenação e as duras sentenças aplicadas contra líderes de protestos populares conhecidos na região como Hirak Rif, após nove meses de julgamento. A multidão lançou consignas como Boicotar a justiça, Liberdade aos presos e Contra a militarização do Rife, na capital do país, Rabat. Os manifestantes marcharam sob um grande aparato militar de repressão e concluiu o percurso quando chegou à frente do parlamento.

No dia 8 de julho, um outro protesto combativo tomou as ruas de Nador, na região portuária no nordeste do país. O motivo foi também repudiar as sentenças extremamente longas aplicadas aos manifestantes do Hirak Rif. Na ocasião, um enorme aparato de guerra foi mobilizado para esmagar a manifestação, no centro da cidade. Jovens foram espancados pelos policiais.

Os líderes do movimento Hirak Rif, ocorrido de outubro de 2016 a junho de 2017, tiveram altas condenações. Quatro pessoas foram condenadas a 20 anos de prisão por "conspiração" e outras 49 pessoas receberam sentença de um a 15 anos de prisão, no final de junho deste ano.

O Hirak Rif foi um amplo movimento de massas que explodiu na região do Rife, Norte de Marrocos. O estopim foi a morte de um peixeiro esmagado por um caminhão de lixo quando tentava recuperar sua mercadoria, confiscada pela repressão.

A região do Rife engloba os distritos de Alhuceima, Nador, Driouch, Berkane e Taza, e sofre intenso isolamento e campanha de demonização pelo velho Estado marroquino. Isto porque a região tem uma histórica reivindicação por independência que resultou, inclusive, em um grande levante que chegou a proclamar a República do Rife existente de 1921 a 1926 e outros levantes na década de 1950.

Protesto do movimento de massas em 2016, no Rife. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza