Índia: Operários são humilhados e espancados diariamente

A- A A+

Trabalhadores de uma grande indústria têxtil da Índia, chamada Shahi Exports, foram ameaçados de morte e alguns espancados por exigir água limpa e aumento de salários. A denúncia foi publicada pelo monopólio da imprensa The Guardian, no dia 22 de julho.

Um gerente da Unidade 8 da Shahi, em Bangalore, disse a uma empregada: "Não seria um pecado se alguém te matasse e se desfazesse do corpo". Depois lhe pediu a outros empregados que espancassem a mulher, que quase foi estrangulada por um deles.

Outro gerente insultou uma empregada que tinha atividades sindicais e, tentando criar intrigas, disse a outros trabalhadores que ela tinha o intuito de "fechar a fábrica". A mulher foi espancada e despida.

Numa outra ocasião, um gerente disse a um empregado membro do sindicato: “Sua casta só serve para limpar privada. Como se atreve a pedir-me aumento?”. Depois, capangas golpearam o operário e roubaram-lhe.

A investigação e as denúncias foram realizadas pelo Consórcio pelos Direitos dos Trabalhadores (CDT), um grupo com sede em Washington que fiscaliza e estuda a atividade fabril. O consórcio concluiu que os gerentes são os responsáveis pela violência e ameaça de morte e que 15 empregados atuantes nas atividades sindicais foram suspensos de forma arbitrária.

No entanto, a repressão e brutal violência extrapola os gerentes e têm sua raiz na própria cúpula da companhia monopolista e nas demais que compram suas mercadorias; é uma necessidade do capitalismo burocrático indiano para superexplorar o proletariado e desbaratar todas as suas formas de luta por direitos que diminuam os magníficos superlucros dos monopólios.

A companhia Shahi Exports, ao ser notificada pelo CDT que seus gerentes promoviam este tipo de repressão e humilhação às massas e aconselhada a reconhecer a atividade sindical, rejeitou todas as denuncias. Apenas depois de uma grande campanha de denúncia e a pressão da luta dos proletários, o monopólio indiano aceitou reconhecer o sindicato União de Trabalhadores Têxteis de Karnataka como representante dos operários. Até agora, apenas cinco gerentes foram demitidos e somente 15 operários foram reintegrados aos quadros da empresa.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja