Índia: Greve geral paralisa o distrito de Malkangiri

Uma greve geral (bandh) convocada pelo Partido Comunista da Índia (Maoista) paralisou completamente o distrito de Malkangiri, no estado de Orissa, em 20 de julho, segundo noticiou o blog Correo Vermelho. Nenhum incidente é relatado. O objetivo foi combater o chamado projeto de irrigação de “Polavaram”, em Andhra Pradesh, e a construção da ponte Gurupriya.

Os ônibus da Corporação de Transportes Rodoviários do estado de Orissa (CTREO) não circularam por razões de segurança, de acordo com uma nota da corporação. Outros veículos também foram impedidos de circular e atividades comerciais e educacionais foram temporariamente paralisadas. Somente a passagem de ambulâncias ou serviços de emergência foi autorizada.

De acordo com o blog Redspark, o projeto “Polavaram” acabaria com áreas de 15 a 20 aldeias de Motu tehsil e também danificaria a flora e a fauna da área. Em um comunicado, o secretário da Comissão Divisional das fronteiras Malkangiri-Koraput-Visakha afirmou que o projeto beneficiaria grandes capitalistas e companhias monopolistas multinacionais. “Convoco as pessoas que serão deslocadas a lutar de maneira unida contra a conspiração dos governos de Modi e Naveen para facilitar a entrada de empresas multinacionais. Ambos estão fazendo os pobres se deslocarem de sua terra natal em nome do investimento estrangeiro.”, escreveu ele.

Os maoístas colocaram centenas de cartazes nas aldeias RSC-10, Gunthabeda, Kurmanur e Dorabeda, sob os limites da sede da polícia de Chitrakonda e fizeram um chamado aos aldeões para protestar contra o projeto. Eles também colocaram cartazes pedindo aos moradores locais que se oponham à inauguração da ponte Gurupriya. Os revolucionários argumentaram que a ponte visa intensificar a operação “Caçada Verde”, entregando abundantes recursos minerais das montanhas da região às empresas estrangeiras e facilitando a exportação de bauxita.

Esta greve geral de sucesso foi amplamente aderida pelas massas populares e é um exemplo claro da rejeição do projeto “Polavaram” e da ponte Gurupriya no distrito.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro