Eu apoio os 23

A- A A+

Repercutimos matéria publicada no site http://medialabufrj.net/ em apoio aos 23 presos políticos 


Na terça-feira, 17 de julho, a Justiça do Rio condenou à prisão 23 manifestantes que participaram de protestos populares ocorridos na cidade em 2013 e 2014. O juiz Flavio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, decretou penas que vão de 5 a 13 anos de detenção, a serem cumpridas em regime fechado. Tão logo foi divulgada, a ação do Judiciário despertou inúmeras manifestações de repúdio por parte de entidades e organizações populares, que a consideraram a mais grave violação ao direito de liberdade de expressão e de protesto cometida desde as Jornadas de Junho de 2013, acontecimento que marca o início de um período intenso de manifestações de rua no país.

A sentença está eivada de irregularidades. Faltam provas robustas. Tudo foi organizado a partir de um único depoimento, uma espécie de “delação premiada informal”, feita por Felipe Braz Araújo, que chegara a frequentar algumas plenárias da Frente Independente Popular (FIP). Quando em 2014 o desembargador Siro Darlan concedeu habeas corpus a três ativistas, a tal testemunha chamou-o de “veado” numa entrevista desvairada dada ao jornal O Dia. A repórter teve ainda que ouvir a seguinte resposta, quando o indagou a respeito de sua colaboração com a polícia: “Pô, você deve ser muito gatinha, mas por que eu falaria isso pra você?”.

Ao longo do processo judicial, os mais variados procedimentos persecutórios foram utilizados contra os 23: invasão de casas, grampos ilegais de advogados, infiltrações em atos e reuniões, prisões abusivas – o caso emblemático é o de Igor Mendes, que passou sete meses em Bangu entre o final de 2014 e início de 2015 e ouviu, de dentro de sua cela, Dilma Rousseff dizer que não havia preso político no Brasil. A experiência do ativista está retratada no livro A Pequena Prisão, publicado pela editora n-1.

Itabaiana atuou como um legítimo autocrata, chegando até mesmo a ignorar o pedido de absolvição de cinco manifestantes feito pelo próprio Ministério Público. Assumiu, assim, uma atitude punitivista e criminalizadora. E, claro, a sentença dos 23, em muito tributária da “Lei Antiterrorismo” aprovada por Dilma em 2016, pode servir de referência para condenações de outros militantes e para a criminalização dos movimentos sociais em geral, tanto os da cidade quanto os do campo.

No limite, os 23 ativistas foram punidos pela ousadia de desafiar Sérgio Cabral – hoje condenado a mais de 100 anos de prisão – e denunciar o legado de remoções e violências contra a população pobre e negra deixado na cidade pelos megaeventos esportivos, celebrados por parte significativa da esquerda brasileira. “Vai ter Copa, sim. E, se reclamar, vai ter duas” era o bordão-meme petista à época.

Um ato em apoio aos 23 foi realizado há três dias no IFCS, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Ele deu início à campanha nacional que, além de afirmar o livre direito de manifestar-se e organizar-se, pede a anulação da sentença em instâncias jurídicas superiores. Só nos cabe apoiá-los.

Em defesa do direito de manifestação!

Não é só pelos 23, é por todas e todos que lutam!

Viva Junho de 2013!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja