SC: Fóruns e Redes participa de julgamento popular em Chapecó

A- A A+
 

Com informações do movimento Fóruns e Redes

A exitosa Caravana da Resistência, partilha e solidariedade, organizada pelo movimento Fóruns e Redes (FeR) que percorreu cidades de norte a sul do Brasil, se encerrou em meados de julho.  

Dentre as inúmeras reuniões e atos levantando a consigna de É hora de unir as lutas, os ativistas denunciaram o criminoso assassinato de Marcelino Chiarello em Santa Catarina.


Crime com a tutela do Estado

Durante a passagem pela cidade de Chapecó (SC), em 30/06, os militantes marcaram presença no evento do julgamento popular do caso Marcelino Chiarello, vereador do PT na cidade de Chapecó, assassinado em 2011.
Foi o primeiro julgamento do tipo realizado no sul do país, orientado e conduzido pelo dirigente da FeR, o juiz Jorge Moreno, que usou como inspiração os julgamentos populares da região do Turi, organizados pelo FeR em 2009.

Em nota enviada ao AND, o movimento Fóruns e Redes afirma que "apesar das muitas limitações de seu partido, Marcelino foi indubitavelmente um grande lutador contra a corrupção, organizador popular, líder sindical e apoiador firme das causas indígenas dos Kaingang e outros assentados no sul.".

O ato público, em forma de julgamento, cumpriu o papel de provar o absurdo crime que segue impune até hoje.
"A quantidade de provas apresentadas durante o evento pelo promotor não deixaram dúvidas de que o que aconteceu, na verdade, foi um crime acobertado pelo Ministério Público. E não um suicídio, como afirmaram os órgãos do velho Estado para arquivar o caso sob o pretexto de suicídio." 

Ficou claro que o vereador foi assassinado por suas denúncias contra a corrupção, porém a covarde execução foi arquivada pelo judiciário como suicídio.

A comunidade popular em Chapecó compareceu em peso ao evento que lotou o salão da comunidade São José Operário, no bairro Passo dos Fortes. Quase mil pessoas compareceram ao julgamento juntamente com os 50 militantes dos FeR que percorreram quase 4000 km de distância de ônibus para prestar solidariedade.

O julgamento declarou que Marcelino foi assassinado e uma nova procuração foi assinada publicamente por várias entidades para o reabrimento de seu caso, com o Estado sendo formalmente culpabilizado por omissão, intervenção na perícia do crime e constrangimento de testemunhas.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja