AC: Pessoas com necessidades especiais exigem seus direitos

A- A A+

Lucindo Sumaúma, Comitê de Apoio AND Manaus

Na manhã de 22 de agosto, um grupo de pessoas em cadeiras de rodas realizaram um protesto contra a falta de materiais médicos e de higiene pessoal. Os familiares também participaram. Eles, que têm necessidades especiais, interromperam o trânsito de ônibus do terminal urbano de Rio Branco por cerca de duas horas, logo após seguiram em passeata pelas ruas do centro da cidade até a casa rosada, onde se localiza o gabinete sede do governo estadual.

Ainda de acordo com os familiares, os materiais não são entregues há cerca de um ano, demora que obriga a compra por parte dos necessitados. Estão sendo exigidos materiais como manuais de auxílio ao banho; muletas, bengalas e andadores; fraldas geriátricas e suplementos alimentares; próteses e órteses; agilidade e pagamentos da ajuda de custo do tratamento fora de domicílio; compras de passagens, incluindo bagagens; materiais médicos hospitalares como sondas, sacos coletores, luvas, gases e medicamentos de uso contínuo e cadeiras de rodas motorizadas, ou seja, materiais de primeira necessidade.

O SUS atualmente, apesar da EC 95 (conhecida como “teto dos gastos”) destina verba para a compra de todos os materiais citados, haja vista a importância dos mesmos para melhoria da qualidade de vida dos portadores de necessidades especiais.

Segundo os manifestantes, “depois de muitas conversas, reuniões e até reportagem na televisão, não obtivemos nenhuma devolutiva por parte do governo do estado e nem da prefeitura de Rio Branco. Não responderam nossas demandas, portanto, estamos convocando à todos: associados, familiares, amigos e simpatizantes que se unam a nós, para realizarmos um manifesto pacífico, para reivindicarmos e cobrarmos nossos direitos”.

O integrante do Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência Física do Acre (Capedac), Alexsandro Bezerra, relatou: “A gente não queria que chegasse a esse ponto. É muita promessa que o governo e a prefeitura fazem e não cumprem. Muitos deficientes que usam material médico hospitalar para sobreviver. É sonda, fralda geriátrica e cadeiras de rodas que o governo não entrega. Estamos reivindicando coisas para nossa vida. Tem gente que fica reutilizando quando não tem. Só prometem que vão resolver e nunca resolvem. Queremos que o governador ou a prefeita nos recebam”.

O presidente da Capedac também mencionou que são quatro anos de luta para conquistar o direito a esse material negado pelo governo. “Quando procuramos o estado eles informam que é competência do município, e quando procuramos o município eles dizem que é competência do estado.”, denuncia Alexsandro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira