Crime de Estado: Estudantes protestam contra incêndio do Museu Nacional no Rio

A- A A+

Um dia após o incêndio que destruiu o Museu Nacional e, com ele, 200 anos de história e ciência, estudantes, pesquisadores, funcionários da UFRJ e outros manifestantes se concentraram diante dos portões da Quinta da Boa Vista para demonstrar indignação e manifestar apoio à instituição.

“O descaso do governo apaga a história do Brasil!”, gritavam os estudantes do Colégio Pedro II em uníssono. O Grupamento Tático Móvel (GTM) da Guarda Municipal (GM) usou bombas de gás e cassetetes para dispersar cerca de mil pessoas que se reuniram no entorno para exigir responsabilidade pela tragédia e se aproximar do prédio histórico, que estava cercado por grades. Os manifestantes resistiram aos ataques dos policiais atirando pedras e garrafas.  

Em torno de 13 horas, os portões foram liberados e eles puderam entrar no parque para observar o que restou do principal centro de pesquisa da América Latina e o quinto maior acervo do mundo. “Há um descaso com a educação pública e com a cultura, e a PEC 95 piora essa situação”, afirmou uma manifestante se referindo à emenda constitucional do teto dos gastos públicos que, na prática, congela o investimento em serviços básicos ao povo por 20 anos.

Ao fim da tarde, uma segunda manifestação foi convocada no Centro do Rio, também com o intuito de protestar contra o descaso e a negligência dos políticos e administradores que resultaram na tragédia. Milhares ocuparam por completo a Cinelândia, de onde marcharam logo em seguida para a Assembleia Legislativa do Estado (Alerj). Estima-se que cerca de 20 mil pessoas estavam presentes.

Desmonte da pesquisa e cultura é política de Estado

Após o incidente, o ministro da Educação, assim como Temer e o prefeito do Rio, Crivella, anunciaram que destinarão R$ 10 milhões para um plano de emergência de reconstrução do Museu Histórico Nacional. A instituição, contudo, que recebia uma verba entre R$ 1,9 milhão anuais, vinha sofrendo cortes drásticos desde 2014, com uma previsão de que somente R$ 205 mil seriam repassados para instituição em 2018 – até o momento do incêndio, a instituição havia recebido apenas R$ 57 mil. 

Uma reconstrução custaria 15 milhões.

De acordo com um funcionário da equipe de administração do museu, havia um processo em andamento para iniciar obras de preservação do prédio. No entanto, graças ao período eleitoral, esse processo foi paralisado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja