PR: Assembleia convoca estudantes a defenderem educação pública e gratuita na Universidade Federal

A- A A+
 

Mais de 150 estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) reuniram-se em uma Assembleia Geral Comunitária, que contou com a participação de professores e técnicos, para debater os ataques à universidade pública e gratuita, e os problemas da infraestrutura da instituição, no dia 29 de agosto.

As duas pautas da Assembleia foram: 1) os ataques à universidade pública, e gratuita; e 2) uso do espaço da universidade e segurança. Tomaram parte na mesa de debates representantes dos Centros Acadêmicos de Psicologia, História, Letras e também da Associação de Professores da UFPR (APUFPR).

O primeiro ponto foi aberto com uma exposição feita pelo representante do Centro Acadêmico de Psicologia da UFPR, que expôs o processo de sucateamento da educação pública, promovido pelo velho Estado e as classes dominantes que o manejam. Além isso, apontou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a contrarreforma do Ensino Médio são os principais ataques contra educação pública e gratuita atualmente, e que é necessária a união entre os estudantes secundaristas e universitários na defesa de uma educação pública, gratuita, democrática, autônoma, e a serviço do povo.

Várias intervenções foram feitas por parte dos estudantes presentes. Entre as falas, algumas denunciaram a BNCC, e a contrarreforma do Ensino Médio. Outras denunciaram o programa Residência Pedagógica, que na UFPR foi barrado graças à resistência da comunidade acadêmica.

Representantes da Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) também denunciaram a BNCC, a contrarreforma do Ensino Médio, e particularmente, no curso da Pedagogia, a falsa regulamentação da profissão do pedagogo. Denunciaram que esta falsa regulamentação caminhava no mesmo sentido que o famigerado projeto 'Escola sem Partido', buscando perseguir os pedagogos que tomam posição atuante na luta de classes, além de retirar lucros da cobrança de mensalidades com a criação do Conselho Federal de Pedagogia.

Companheiras e companheiros da organização de juventude democrática, Alvorada do Povo, denunciaram o sucateamento proposital da educação em nosso país, particularmente no ensino secundário, como um projeto da grande burguesia e do latifúndio no nosso país, denunciando o golpe militar contrarrevolucionário preventivo em curso, sendo seu laboratório de ensaio o Rio de Janeiro. Expuseram que a tarefa dos estudantes é tomar os rumos da universidade em suas próprias mãos, apontando o caminho da greve de ocupação como forma de luta, e o cogoverno estudantil como única saída para autonomia universitária. Dessa forma, conclamaram os estudantes, como força mais democrática e principal nas universidades, a defender a gratuidade, democracia, e autonomia universitárias.

No segundo ponto, foi feita uma exposição por um companheiro do Centro Acadêmico de Psicologia, denunciando a implementação de catracas nos campus da UFPR, alegando que era um ataque à educação pública e gratuita, visto que era uma forma de impedir a entrada da comunidade externa na universidade. Além disso, foi denunciada a falta de iluminação no Campus Politécnico, demanda histórica e nunca sanada dos estudantes que ali estudam.

Várias falas foram feitas, destacando-se a denúncia do uso de câmeras na UFPR para perseguição ao movimento estudantil classista, combativo, e independente, mapeando e investigando ativistas da universidade. Uma das questões levantadas também foi a necessidade do apoio e defesa dos 23 presos políticos no Rio de Janeiro, que manifestaram-se contra a farra da FIFA.

A Assembleia deliberou vários pontos, como um ato pra o dia 14/09, contra a BNCC, a continuação das discussões acerca da segurança na UFPR, além de deixar claro que os estudantes devem cada vez mais se mobilizar, organizar e politizar, em defesa de seus direitos e no avanço das conquistas.

Durante a realização da assembleia, a Polícia Militar aproximou-se da reunião, fotografando os (as) estudantes presentes, numa tentativa, em vão, de intimidá-los (as). Os (as) estudantes não deixaram se levar pelo medo, e entoaram a palavra de ordem “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim, da polícia militar”.

A Assembleia Geral Comunitária é um grande passo em defesa da gratuidade e um avanço em defesa da democracia universitária, cogoverno estudantil, que é o que garantirá a autonomia universitária em relação a esse velho Estado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja