PA: Presidiários são internados com meningite bacteriana

A- A A+

Na manhã de 11 de setembro, o Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB) da Universidade Federal do Pará (UFPA) confirmou dois casos de meningite bacteriana em presidiários oriundos da central de triagem metropolitana II; os detentos, agora pacientes, estão internados desde o dia 8.

As visitas foram interrompidas por cerca de quinze dias. Foram iniciados pela vigilância em saúde os protocolos para formação de um cinturão para isolamento da contaminação, impedindo assim o avanço do surto. No entanto, esse caso não é único: no dia 28 de agosto outro presidiário foi encaminhado para a UPA de Ananindeua com os mesmos sintomas, contudo, chegou em estado grave e morreu vitimado por meningite bacteriana.

No interior do Pará a situação é ainda mais grave. Em Santarém, distante cerca de 1,2 mil quilômetros da capital paraense, o Centro de Recuperação Agrícola Sílvio Hall de Moura (Crashm), chamado de presídio de Cucurunã, está atualmente com 911 presidiários, quando sua capacidade é para 360 detentos. Em sua maioria os presidiários são oriundos dos setores fundos, precários e explorados do proletariado.

Segundo o Ministério Público do Pará, nos anos anteriores a situação era pior, pois as presidiárias femininas também estavam alojadas no mesmo prédio, mas em blocos diferentes. Recentemente as mesmas foram para outro prédio, atualmente o presídio está proibido de receber mais pessoas.

A meningite bacteriana é provocada por diversos agentes etiológicos como bactérias, fungos ou vírus, no caso das meningites bacterianas as principais bactérias estão relacionadas com tuberculose, pneumonia e leptospirose doenças com alta incidência nos presídios de todo o país resultantes diretamente da precarização e superlotação desses locais.

É frente à superlotação absurda que crescem as doenças, fruto de uma política de Estado genocida nos bairros pobres, somada a uma política econômica de superexploração do povo e da nação que empurra aos montes os jovens para a delinquência.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira