MG: Camponeses exigem punição para assassinos de Cleomar Rodriges e denunciam farsa eleitoral

A- A A+
Pin It

 

Com informações de nota divulgada no portal do jornal Resistência Camponesa


No feriado de 07 de setembro foram organizadas pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) em duas cidades do Norte de Minas-Pedras de Maria da Cruz e Januária-manifestações exigindo a punição para os assassinos do dirigente camponês Cleomar Rodrigues assassinado no dia 22 de outubro de 2014.

Os camponeses exigiram, durante os atos, punição para os mandantes e executores de Cleomar Rodrigues. Como o jornal Resistência Camponesa afirma, Cleomar foi ''assassinado numa tocaia armada por policiais e pistoleiros a soldo de um consórcio de latifundiários, como tentativa desesperada de frear o crescimento da luta pela terra e por territórios de camponeses, quilombolas e indígenas''. As manifestações denunciaram também os recentes crimes organizados pelo reacionária união de latifúndiarios auto-denominada "Movimento Paz No Campo"'.

Faixas, palavras de ordem e propaganda com consignas defendendo a luta pela terra e rechaçando a faixa eleitoral foram utilizadas nas manifestações e 4000 exemplares de um Manifesto da LCP sobre o assassinato de Cleomar foram distribuídos.

A considerável repercussão dos atos nas duas cidades resultou no cancelamento do julgamento dos pistoleiros acusados de assassinar o dirigente camponês, um dia antes do mesmo, que havia sido marcado com um ano de antecedência.  A nota do jornal Resistência Camponesa finaliza afirmando "que o julgamento foi cancelado devido a forte pressão da opinião pública local, nacional e internacional favorável à punição dos latifundiários mandantes e dos policiais envolvidos no crime e que, desde 2014, são protegidos por meio de um inquérito policial e processo judicial farsante que busca de todas as formas tirar o caráter político de mais este crime de Estado contra os camponeses e sua legítima luta pela terra".

Segue na íntegra o manifesto da LCP do Norte de Minas e Sul da Bahia distribuído durante as manifestações do dia 7 de setembro:

“No dia 22 de Outubro deste ano completam-se quatro anos do covarde assassinato do companheiro Cleomar, por pistoleiros e policiais, a mando dos latifundiários. Cleomar Rodrigues de Almeida, dirigente da Liga dos Camponeses Pobres, foi fuzilado por disparos de armas de grosso calibre numa tocaia, na porteira que dá acesso à Área Unidos com Deus Venceremos em Pedras de Maria da Cruz, onde trabalhava e vivia com 35 famílias, desde 2008. Seu assassinato causou grande repercussão na região, revolta entre os camponeses e comoção entre os apoiadores da luta pela terra e democratas em várias partes do país.  

O companheiro Cleomar há muito tempo vinha sendo ameaçado de morte, por conhecidos pistoleiros da região e pelo policial civil Danilo de Januária, que junto com outros agentes do Estado, publicamente prestam “serviços” aos latifundiários de Pedras de Maria da Cruz e região. Desde 2010, isto foi denunciado amplamente ao MP, Ouvidoria Agrária, INCRA e outras autoridades, inclusive em audiências públicas, onde foram citados os latifundiários Antônio Carlos Vinagre, Hiram Moura, Rodolfo Rabelo, Antônio Aureliano e outros.

O companheiro Cleomar foi assassinado por sua militância abnegada, por defender os interesses e a união dos camponeses pobres na luta contra o inimigo comum: o latifúndio e seu velho Estado; Em sua memória, as famílias camponesas retomaram parte das terras griladas da fazenda Pedras de Maria Agropecuária, cortaram e distribuíram as parcelas, dando seu nome à Comunidade.

No final de 2014, depois de um inquérito farsante, que tinha como objetivo esconder os nomes dos latifundiários mandantes do assassinato do companheiro Cleomar, bem como impedir que viesse à tona a participação de agentes policiais de Januária no crime, foram presos os pistoleiros Marcos Ribeiro de Gusmão e Marco Aurélio da Cruz Silva, acusados pelo assassinato. No entanto, menos de 1 ano depois, em 03 de novembro de 2015, um habeas corpus do STJ concedeu liberdade provisória para eles.

A soltura destes bandidos, assim como a não acusação formal dos mandantes e da formação de uma organização criminosa dos latifundiários desta região, envolvendo agentes policiais do Estado, como evidencia o julgamento que será realizado dia 13 de setembro deste ano, demonstra bem a farsa desta “justiça” que historicamente acoberta grileiros de terra, torturadores, assassinos de camponeses, quilombolas e indígenas, configurando em Crimes de Estado”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja