PR: Estudantes organizam ato em repúdio ao incêndio do Museu Nacional

A- A A+

 Foto: Ricardo Moraeis/Reuters

No dia 30 de setembro, será realizado em Curitiba um ato denunciando o crime cometido pelo velho Estado contra o Museu Nacional, instituição que foi destruída por incêndio no início do mês de setembro. Haverá apresentações de teatro, música, entre outras intervenções culturais, além de denúncia à população sobre o ocorrido, entoando em alto e bom som a consigna de Resistir, lutar, com a cultura popular!.

A manifestação está sendo organizada pela Aliança Paranaense Estudantil (APE), movimento que reúne estudantes de diferentes cursos e de diversas universidades da capital paranaense interessados pela cultura popular nacional, que se denominam de. Reproduzimos a seguir a nota convocatória do evento.

Resistir! Lutar! Com a Cultura Popular!

O 'Ato de Luto em Luta pelo Museu Nacional e pela Dignidade Cultural Brasileira', que será realizado no dia 30/09 de 2018 (próximo à data de um mês do incêndio que destruiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, RJ), às 15h em frente ao Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná, tem diferentes bases, mas algumas intenções comuns:

A primeira delas é marcar o luto de todos os brasileiros pela destruição quase que total do acervo e aos danos graves sofridos pelo prédio principal do Museu Nacional do Brasil no dia 2 de setembro. Os objetos, que em sua maioria são insubstituíveis, apesar das falas superficiais dos atuais responsáveis pela revitalização do Museu, representam milênios da História humana e duzentos anos de esforços nacionais em nome do colecionismo, da pesquisa, da Ciência e da História.

A segunda é marcar a nossa posição enquanto estudantes, trabalhadores, pesquisadores e cientistas brasileiros, denunciando o crime que este velho Estado cometeu. Porque não foi um mero "acidente". O que aconteceu foi a expressão concentrada de anos e anos de descaso e negligência com a nossa cultura e educação. Os equipamentos culturais (como as galerias, monumentos, casas de cultura, museus, entre outros) e a educação brasileira (as escolas, as universidades, as iniciações científicas, etc.) estão cada vez mais ameaçados e mais pertos de uma destruição iminente, como foi o caso do Museu. O que vimos neste trágico caso foi um exemplo destes dois eixos. A administração do Museu pertencia à UFRJ que, como toda universidade pública, é alvo de políticas de cortes de investimentos. Desde 2017, com a EC 95/2017, o orçamento da universidade (que já era baixo), começa a abaixar gradativamente, já que a medida congela investimentos em Educação por 20 anos, lesionando não só a universidade, mas também o Museu. Em recente entrevista, o Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, diz que é culpa da UFRJ por ter investido menos no Museu e por não ter procurado "outras fontes de investimento", como empresas privadas. Ou seja, para nosso ilustre Ministro, o Estado corta o investimento da universidade e quem é culpada é a UFRJ por não ter vendido o Museu aos grandes empresários que já estão se apropriando de vários museus nacionais. Mas, ao contrário, nós dizemos que se a nossa Educação e nossa Cultura está ameaçada, é culpa deste velho Estado e a solução não é a sua privatização!

E a terceira, é a de dizer que estamos fartos de entrar em luto pela nossa Nação. Enquanto os mesmos políticos de sempre, em conluio com os grandes banqueiros, empresários e latifundiários de nosso país, garantem a manutenção de suas riquezas, o nosso povo perde seus direitos mais básicos, tirando-o a saúde, a educação e a cultura. E, além disso, jogam a culpa uns aos outros, isentando-se de suas próprias culpas. Choram lágrimas de crocodilo, enquanto o nosso povo continua a perder cada vez mais. Mas nós dizemos basta! Resistiremos e lutaremos com e pela cultura popular!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza