PR: Resistência estudantil no curso de Letras na Universidade Federal

A- A A+


Repercutimos a seguir nota do movimento "Alvorada do Povo" encaminhada à redação de AND. No informe o movimento noticia a luta que estudantes do curso de Letras têm travado na Universidade Federal do Paraná (UFPR), assim como a Carta emitida pelo corpo discente do curso onde denunciam e cobram medidas da instituição sobre a Resolução CNE/CP nº02/2015 .

 


Os alunos do curso de Letras da Universidade Federal do Paraná (UFPR) vêm travando uma árdua e longa luta contra uma falsa reforma curricular que atingiria todos os novos ingressantes no curso.

Em maio de 2015 iniciou-se um grande debate sobre a iminência de uma reforma curricular no curso a fim de acatar à Resolução CNE/CP nº02/2015, que obriga os cursos a colocar maior carga horária de matérias de educação nas grades curriculares das licenciaturas.


Num processo pouco democrático, após extensas reuniões dos diversos departamentos e áreas envolvidas, o Colegiado de Letras aprovou a reforma em uma de suas reuniões, indo contra a opinião de grande parcela do corpo docente e da maioria do corpo discente do curso. Essas propostas, agora aprovadas e tornando-se processos dentro do Setor de Ciências Humanas da UFPR, foram então, hoje (25/09) à reunião do Conselho Setorial para apreciação e aprovação.

O Centro Acadêmico de Letras, que desde o início do processo promoveu um amplo debate entre todos os alunos de Letras, mobilizou diversos estudantes (e aqui não só de letras, mas estudantes de psicologia, de geografia, de história, entre outros...) para não deixar que os processos referentes à reforma fossem aprovados na Reunião Setorial, entendendo que a reforma dos currículos do curso diminuiriam em pelo menos 1/4 as entradas de pessoas na universidade, além de aumentar a carga horária de um curso que já tem seu currículo inflado que dificilmente é possível terminar no estimado de 4 anos e meio. A reforma ainda acabaria com o núcleo comum de disciplinas entre todas as habilitações (que hoje somam 54 no total, com línguas como, além do português, inglês, espanhol, alemão, francês, italiano, japonês, polonês, grego e latim, podendo os alunos escolher entre licenciatura e bacharelados em 3 áreas distintas), fazendo com que todas as línguas que não são o português ficassem sem disciplinas fundamentais para a formação do profissional de letras, sucateando ainda mais a formação de professores e de profissionais qualificados.



Desse modo, através de falas muito inflamadas e apresentando uma carta com uma postura firme dos alunos, evidenciando ainda a necessidade de uma universidade com democracia estudantil e autonomia universitária, numa gloriosa vitória do movimento estudantil, conseguimos retirar os processos da pauta da reunião do Setor de Ciências Humanas, obtendo ainda a declaração do corpo docente de que, a partir de agora, será promovido um debate democrático sobre a reforma curricular, com os discentes ativamente envolvidos no processo de construção das grades, a fim de construir uma grade curricular que atenda melhor às necessidades dos estudantes de letras, visando a construção de uma educação pública de maior qualidade, com profissionais mais qualificados para atender às necessidades de aprendizagem do povo brasileiro a respeito de língua e linguagem.

Clique aqui para acessar a Carta divulgada pelos estudantes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira