RJ: Debate discute 50 anos do AI-5 na UFF

A- A A+

O Núcleo de Estudos em Economia e Sociedade Brasileira (NEB) promove debate sobre os 50 anos do Ato Institucional nº 5 (AI5) na Universidade Federal Fluminense (UFF) na tarde de hoje (01/10).

O evento contará com a presença dois professores da instituição e uma doutoranda da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), são eles: Joana D'Arc, professora do Instituto de Filosofia, Ciências Sociais e História e militante do Grupo Tortura Nunca Mais, Demian Melo, professor de História do Bacharelado em Políticas Públicas e Lívia Salgado, doutoranda do Programa da Pós Graduação em História.

Evento: Debate - 50 anos do AI5 - memória, luta e resistência

Local: Auditório da Faculdade de Economia da UFF, Campus do Gragoatá, Niterói, RJ

Endereço: Rua Alexandre Moura, Bloco F, 8 - São Domingos, Niterói - RJ, 24210-200

Data: 01/10

Horário: 18h

O AI-5 e o Estado matador, ontem e hoje

Os 50 anos do AI-5 e seu significado é um tema de grande relevância, principalmente no momento atual de crescente reacionarização do velho Estado, por um lado, e formidável desenvolvimento da situação revolucionária no país, por outro.

Por isso repercutimos a seguir um trecho do artigo publicado na edição nº45 de AND, pelo professor Fausto Arruda, intitulada: O AI-5 e o Estado matador, ontem e hoje:

"Passar um pente fino no período do regime militar é revelar dois aspectos antagônicos que nenhum dos dois lados hora em aparente pugna tem interesse em verem revelados. Primeiro que o AI-5, ao contrário do "golpe dentro do golpe", como alguns o chamam, foi, na verdade, a sequência e aprofundamento da quebra da legalidade praticada pelo imperialismo e pelas classes dominantes nativas, lacaias em 1964, quando as forças armadas, como espinha dorsal do Estado burguês-latifundiário semicolonial, desencadearam a luta armada contra o povo brasileiro em geral e, seletivamente, contra aqueles que, ao organizarem a resistência, direcionavam a sua luta por transformações de profundidade na sociedade brasileira.

Militares e civis, portanto, agiam segundo os interesses das classes dominantes exploradoras. Classes estas cujos interesses e poder sequer foram arranhados com o final do regime militar e nem mesmo os privilégios mais descarados. Basta examinarmos a trajetória de tantas figuras como José Sarney ou de Delfim Neto, que serviram e se serviram do regime militar e que, hoje, mantêm-se como expoentes na qualidade de conselheiros de Luiz Inácio. Ou da imprensa, como a Rede Globo do Sr. Roberto Marinho e Folha de São Paulo do Sr. Frias — só para ficar em alguns exemplos de monopólios de informação que querem se passar por paladinos da "liberdade de imprensa" —, como outros que se nutriram, fizeram-se ricos com apoio do regime fascista a quem serviram fielmente. A cumplicidade entre os homens da FIESP, da OBAM e do DOI-CODI não poderá jamais ser esquecida.

Em segundo lugar, no campo da resistência, se tivemos exemplos belíssimos de coragem, destemor, honradez e compromisso com a causa, acima de seus interesses pessoais e acima da própria vida, tivemos os que fraquejaram, os que capitularam, rastejaram feito vermes e os que renegaram. Muitos destes se recolheram à sua insignificância. Outros, porém, apesar de carregarem nas costas, e principalmente em suas consciências, o peso do sacrifício e da morte de inúmeros companheiros e companheiras — pior ainda, delatores e cachorros da polícia política e ladrões dos fundos das organizações a que pertenceram — insistem em ostentar sua condição de perseguidos e injustiçados pelo regime militar e em cima disto reivindicarem para si polpudas reparações materiais e elevados cargos na estrutura do mesmo velho e genocida Estado que agora ajudam a perpetuar caiando sua fachada.

A maioria dos camponeses, operários menos qualificados, cabos e soldados que participaram da resistência ao regime militar, entretanto, ainda não recebeu nenhuma reparação ou recebeu migalhas. Figuras como FHC, Serra, Luiz Inácio, José Dirceu, Genuíno, Tarso Genro, e outros tantos, que para alcançarem o topo do velho Estado se venderam ao capital e ao chegarem à sua gerência se acumpliciaram cabalmente com as classes dominantes exploradoras e reacionárias e o imperialismo. Estas mesmas classes que implantaram o regime militar fascista, para executarem um verdadeiro genocídio contra as massas pobres do Brasil.

A militarização da sociedade, seja por parte diretamente do velho Estado, seja por parte da segurança privada e todo tipo de pistolagem, tem desencadeado a perseguição, a tortura e a morte de camponeses em nome da "paz no campo" para o latifúndio agir sem limites e a prisão, tortura e matança de trabalhadores e do povo pobre das favelas em nome da luta contra o tráfico de drogas e armas, cujos maiores responsáveis se encontram encastelados na estrutura desse mesmo velho Estado corrupto de cima a baixo, até a medula.

Temos dito e repetido que o oportunismo (a falsa esquerda canalha de PT, PCdoB, PSB, PPS, PDT, etc.) quando se presta a assumir o gerenciamento do velho Estado, transforma-se no maior empecilho para que as massas possam organizar sua luta de forma independente, na busca de concretizar seus mais mínimos direitos e menos ainda seus interesses estratégicos. Assim, reacionários de pedigree e tradição se unem aos oportunistas tanto no encobrimento do passado quanto na sabotagem do futuro. Como grupos de poder se conluiam para manter a exploração e opressão das massas trabalhadoras e vender a Pátria, rivalizam e pugnam entre si para decidir qual abocanha mais o botim do Estado."

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza