Suíça: Trabalhadoras protestam e exigem paridade salarial

A- A A+

Cerca de 20 mil pessoas protestaram em Berna, na Suíça, para exigir pagamento igualitário para trabalhos iguais entre homens e mulheres. As trabalhadoras marcharam nas ruas contra o “sexismo e discriminação" e alertaram que estão preparadas para entrar em greve se suas exigências não forem atendidas.

As manifestantes criticaram o fato de as mulheres ganharem em média um quinto a menos do que ganham os homens e por fazerem a maior parte do trabalho não remunerado. O protesto exigiu do parlamento que aumente a fiscalização contra as empresas que se utilizam da política de baixar o salário feminino para baixar despesas com salários e extrair o lucro máximo.

A Suíça tem uma forte tradição de luta feminina por seus direitos democráticos, ao passo que tem também significativas tradições reacionárias por parte do regime e dos sucessivos governos. O país foi o último da Europa a estender o sufrágio às mulheres – concedido apenas em 1971, depois de grandes protestos para a conquista deste direito.

Grupos maoistas, com a bandeira do movimento turco na Europa, Partizans, foram avistados na multidão.

No parlamento, há já uma lei desde 1996 que obriga a paridade salarial, não sendo, no entanto, efetiva na sua aplicação por conta do caráter burguês do seu Estado, pois é uma necessidade da sociedade burguesa – onde domina a burguesia – manter a mulher submetida a uma opressão sexual para manter baixo o salário necessário a ser pago para a reprodução da força de trabalho do proletariado e elevar o contingente do exército industrial de reserva, que também faz baixar o salário médio.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza