Greve geral na Argentina paralisou o país

Em 25 de setembro último aconteceu a segunda greve geral desde o acordo assinado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a quarta a acontecer em meio ao governo Macri. Esta foi a maior. Teve a adesão das principais centrais sindicais, estudantes e da sociedade em geral que exigiram mudança: o abandono da política econômica ditada pelo FMI.

O resultado da greve foi contundente, total e de alcance nacional. Algumas organizações optaram por recomendar que os reclamantes ficassem em casa e outras convocaram para realizar piquetes e manifestações.

No dia anterior à greve uma multitudinária manifestação aconteceu na Praça de Maio, em frente à sede do governo, a Casa Rosada. Nesse momento seu titular Mauricio Macri já estava no USA para ampliar seu acordo com o FMI.

O povo vem sofrendo, segundo informações oficiais, uma inflação em torno de 45% ao ano, e o desemprego atinge 10%. O índice de pobreza subiu para 27,2% da população, sendo que na sua campanha eleitoral Macri colocava “pobreza zero“ como o objetivo central da sua gestão.

A família Macri fez fortuna na base de negócios em oportunas alianças com os sucessivos governos. No período do presidente Menem ganhou a concessão do Correio argentino por 30 anos. A publicidade do acordo de privatização prometia melhores serviços, mais eficiência por uma tarifa menor. A gestão fraudulenta dos Macri, além de demitir milhares de trabalhadores, piorar os serviços e aumentar tarifas, deixou uma dívida que, segundo calculos oficiais, supera os 4 bilhões de dólares.

Entre as bandeiras da greve esteve a denuncia e a luta para evitar que o presidente consiga perdoar as dívidas da sua família com o velho Estado. Pouco tempo antes Macri já tinha perdoado outra dívida sua com o Estado, de 500 mil dólares.

O acordo com o FMI, que inicialmente consistia em um empréstimo de 50 bilhões de dólares, foi ampliado em mais 7 bilhões. Desse dinheiro já foram cedidos 15 bilhões de dólares, sem que tenham significado melhoras nos índices econômicos. A contrapartida imposta pelo FMI é mais arrocho para o povo com retirada de direitos trabalhistas e previdenciários, “ajuste fiscal” (corte nos serviços básicos como saúde, educação, habitação etc.) e outros ataques.

Para se ter uma ideia do debacle econômico: em abril, com um dólar se compravam 20 pesos; em setembro um dólar ultrapassou os 40 pesos. Essa desvalorização impacta diretamente na economia nacional.

Em uma economia com os preços fortemente atrelados ao dólar, o poder de compra da população decresceu enormemente. Além disso, todos os subsídios que destinavam-se a aliviar os altos custos nas tarifas de energia e transporte, por exemplo, foram cortados. O acordo com o FMI impõe sacrifícios draconianos que eternizam a dívida e a subjugação da nação argentina.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro