MG: Estudantes da Universidade Federal de Uberlândia debatem boicote à farsa eleitoral

A- A A+

Com informações de apoiadores de AND de Uberlândia

Reunidos no auditório da Universidade Federal de Uberlândia (MG), estudantes e professores debateram a questão da farsa eleitoral, a necessidade do boicote e a saída revolucionária frente a essa situação de opressão e exploração às quais são submetidos o povo brasileiro.

O debate contou com a presença do jornal A Nova Democracia e do Comitê de Defesa dos Direitos dos Trabalhadores (CDDT) que discutiram, além do boicote à farsa das eleições, temas como a democracia, os pilares que mantém o sistema capitalista (o monopólio da imprensa, do sistema financeiro e dos poderes judiciário e militar), o papel da esquerda oportunista e reformista no atual cenário, e a saída real para os trabalhadores frente ao processo de crescimento da reacionarização no Brasil.

De acordo com a intervenção do professor que compôs a mesa de debates, a democracia no Brasil teve suas origens com um golpe militar no final do século XIX resultando na criação da república, sem a participação do povo e com privilégios apenas para as classes dominantes. Desde então, os processos eleitorais burgueses-latifundiários seguem distanciando-se cada vez mais do povo, proporcionando às camadas populares apenas o direito a consulta periódica (a cada dois anos) para a escolha dos administradores de turno do sistema capitalista.

Na verdade, ao longo do século XX e início do século XXI, pouco avanço na luta pela emancipação dos trabalhadores ocorreu de fato por meio das eleições reacionárias. O que vemos é praticamente a alternância de grupos políticos no poder, ora para a manutenção do sistema burguês-latifundiário, ora para a tentativa de reformas de cunho social sem a transformação em sua essência, ou seja, mudar tudo para tudo continuar como está, pois nem os governos mais “progressivos” propuseram de fato mudar o regime político e econômico em benefício da maioria da população.

Os "governos" petistas de Lula e Dilma não fizeram mais do que reforçar as bases da estrutura desse velho Estado, prosseguiu ele. Não mexeram na estrutura fundiária (reforma agrária) e menos ainda no sistema financeiro e nas estruturas do judiciário e militar, elementos fundamentais da repressão contra o povo. Nem mesmo a quebra do monopólio da imprensa foi alterada, mantendo o controle e a concentração dos principais meios de comunicação nas mãos de uns poucos grandes burgueses.

A esquerda oportunista reformista no gerenciamento do velho Estado negociou esmolas para o povo ao mesmo tempo em que promoveu mais riqueza para os monopolistas. O governo do PT, ainda, sancionou leis que reprimem e criminalizam os movimentos sociais, conforme a intervenção do representante do jornal A Nova Democracia.

O debate encerrou com a unidade das opiniões em torno de que a única saída possível para o recrudescimento do fascismo e contra as políticas antipovo dos governos títeres do imperialismo ianque deve ser mesmo o caminho revolucionário. Que não basta apenas chamar o voto nulo, mas trabalhar o boicote das eleições juntamente com a politização, organização e mobilização das massas populares.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja