Via decreto, governo cria ‘Força-Tarefa de Inteligência’

Entidades democráticas questionam o que seria 'crime organizado' e denunciam provável uso político

No último dia 15, Michel Temer assinou o Decreto Presidencial nº 9.527, criando a “Força-Tarefa de Inteligência” (FTI) para o enfrentamento do “crime organizado” no Brasil, sob o comando do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e do general de Exército Sérgio Etchegoyen. Sem definir exatamente o que seria “crime organizado”, o decreto planeja dar condições para que o próximo governo possa agir no que seria, de acordo com o próprio texto, o “enfrentamento a organizações criminosas que afrontam o Estado brasileiro e as suas instituições” e possui flagrante caráter político.

Em busca de fazer alguns agrados ao próximo governo que será implantado, Temer antecipou uma espécie de AI-1 – o ato institucional implantando em abril de 1964 por militares que tinha como objetivo barrar uma eventual organização para combater o regime.

Aliado à Lei de Organizações Criminosas e à Lei Antiterrorismo, sancionadas em 2013 e 2016, respectivamente, durante o gerenciamento de Dilma Rousseff/PT, trata-se de mais um projeto para enquadrar o povo de um modo geral, mas principalmente as parcelas mais combativas da população que não alimentam ilusões sobre o velho Estado e o oportunismo, de modo a coibir os protestos, criminalizando toda e qualquer forma de manifestação contrária ao velho Estado e ao fascismo representado por Jair Bolsonaro.

A FTI será composta basicamente pelos vários setores das Forças Armadas e contará com 11 grupos, incluindo o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), os centros de inteligência da Marinha, do Exército e da Aeronáutica e a Polícia Federal, além do Conselho de Controle das Atividades Financeiras do Ministério da Fazenda, a Receita Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional e a Secretaria Nacional de Segurança Pública.

O Coordenador Geral da FTI será o ministro Sérgio Etchegoyen, Chefe do GSI; ele ficará encarregado de elaborar uma “Norma Geral de Ação”, que ainda não se sabe qual. Etchegoyen, quando assumiu o GSI nos primórdios do governo Temer, chegou a declarar que o foco das atenções no setor de inteligência de seu trabalho seria alguns movimentos populares, citando nomeadamente a Liga dos Camponeses Pobres (LCP), o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e outros – reforçando a suspeita do caráter político deste decreto e da subsequente FTI.

Para reforça-la, Bolsonaro já chegou a afirmar que, em caso de vitória, seu governo vai colocar “um ponto final em todo o ativismo no Brasil”.

O decreto e a FTI são parte da intervenção militar e um passo adiante ao golpe de Estado militar contrarrevolucionário. Aos poucos, as Forças Armadas concentram mais poder e funções de Estado para tentar estabilizar a crise geral e preparam-se para combater a resistência popular que inevitavelmente se porá de pé.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin