GO: Boicote à farsa eleitoral toma as ruas

A- A A+
Pin It

A bem-sucedida campanha de boicote à farsa eleitoral sacudiu o país em épocas de acirramento da luta de classes e pugna entre as classes dominantes. Apesar da polarização superficial dentro de um só programa do Partido Único, a rejeição das massas ao carcomido pleito eleitoral nunca foi tão grande. Foram aproximadamente 40 milhões, somados os votos nulos, brancos e abstenções.

Em Goiânia não foi diferente. Militantes de diferentes organizações e ativistas independentes conformaram um Comitê em torno das consignas Não vote, lute! e Nem eleição, nem intervenção militar! Revolução já! O Comitê de Boicote à Farsa Eleitoral organizou atividades de panfletagens, debates, colagem de cartazes, reuniões de estudos e intervenções em diferentes espaços públicos, tais como assembleias de categoria e palestras nas universidades goianas.

No total foram distribuídos mais de 10 mil panfletos e foram realizados dois debates na Universidade Federal de Goiás. Também foram colados 200 cartazes tamanho A3 nos pontos de ônibus mais movimentados da cidade. As panfletagens foram feitas com faixas e intervenções em grandes terminais da cidade, praças principais e grandes feiras, como a Feira Hippie que recebe pessoas do Brasil inteiro, no restaurante universitário e nos pátios da Universidade.

Os transeuntes pegavam os panfletos e mal diziam às eleições, alguns recusavam o panfleto por suporem que este se referia a algum políticos, mas quando era anunciado o caráter do mesmo logo voltavam. Algumas pessoas aplaudiam e até pediam um punhado para panfletarem em outros locais. Na colagem de cartazes, as pessoas concordavam quando viam a ação. Um casal de trabalhadores pediu alguns para levar e colar em seu bairro.

As reuniões foram muito esclarecedoras e cumpriram o papel de superar a mera denúncia de que as eleições são uma farsa e mesmo de ficar somente na crítica genérica. O Comitê possibilitou o aprofundamento do caráter e do histórico das eleições sobre os míticos para a não participação no processo eleitoral.

Os debates foram importantes para difundir o entendimento da polarização superficial e, não em essência, entre a falsa esquerda e o fascismo, compreendendo que o fascismo no país já estava se gestando desde os governos Lula e Dilma/PT, ganhando espaço com o fracasso dos governos oportunistas que enlamearam a verdadeira esquerda, criando espaço para o anticomunismo visceral que contribuiu para arrastar parte das massas que estão sendo ludibriadas pela extrema direita. Ficou-se entendido que o fascismo aprofundou e agudizará ainda mais daqui para frente, embora seja inevitável sua derrocada na medida em que não responderá aos interesses das massas populares que engabela.

O comitê continuará suas atividades para o segundo turno, com o objetivo de defender e desfraldar, cada vez mais alto, a bandeira em defesa de uma Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista, como única solução definitiva para as mazelas do povo brasileiro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja