Execuções de quilombolas crescem 350%

A- A A+

Um estudo aponta o crescimento exponencial de assassinatos de quilombolas. O assassinatos aumentaram em 350%. O estudo foi realizado pela ONG Terra de Direitos e pela Confederação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), em parceria com a Associação de Trabalhadoras e Trabalhadores Rurais da Bahia (AATR) e o Coletivo de Assessoria Jurídica Joãozinho de Mangal.

O estado onde mais se matou quilombolas foi a Bahia, local onde em 6 de agosto de 2017 foram mortos seis quilombolas, no município de Lençóis, no sul do estado.

O segundo estado com mais assassinatos foi o Pará, onde vive-se intenso processo de terrorismo latifundiário e grande resistência dos camponeses, indígenas e quilombolas na luta pela terra. Foi lá onde, no dia 29 de setembro, latifundiários assassinaram Haroldo Betcel, do Quilombo Tinigu, município de Santarém. Os assassinos ainda destruíram sua plantação e sabotaram o fornecimento de água para toda a região em torno do quilombo, segundo portal terradedireitos.org 

Em outro levantamento também feito pela Conaq, atestou-se que, no período de 2008 a 2017, 76,3% dos assassinatos de quilombolas ocorreram na região Nordeste do país.

Nos levantamentos da Conaq, revela-se que a maior parte dos assassinatos (68,4%) foi feita com armas de fogo, o que demonstra a militarização crescente do campo. Por outro lado, ataques com torturas seguidos de assassinatos, especialmente contra às direções femininas das comunidades quilombolas, comprometem quase um quarto dos casos.

Foto ilustrativa

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira