Semana começa com favelas sitiadas na zona norte do Rio

Após um fim de semana sangrento nas favelas de Manguinhos e no Complexo da Penha, nessa segunda-feira moradores dessas localidades ficaram impedidos de deixar suas casas pela manhã por conta do rescaldo das operações do final de semana que deixaram ao menos duas pessoas mortas. No domingo (4) PMs da UPP de Manguinhos balearam um jovem de 17 anos ainda não identificado e fugiram do local sob protestos de moradores. Ele foi socorrido por vizinhos, mas não resistiu aos ferimentos. Até as 21h, a página Fala Manguinhos ainda publicava atualizações dando conta de tiros e explosões de granadas na localidade Vila Turismo após a chegada do BOPE. Na manhã dessa segunda-feira (5), policiais voltaram à favela para uma nova operação.

No Complexo da Penha, policiais do BOPE mataram um jovem de 15 também não identificado na tarde de domingo (4), causando revolta e transformando em um caos o que seria um domingo de descanso. Na segunda-feira, o dia ainda amanhecia quando PMs voltaram ao Complexo da Penha, dando início a um intenso tiroteio e deixando milhares de trabalhadores ilhados em suas casas. Casas foram invadidas e muitos moradores relataram pelas redes sociais que tiveram pertences furtados por policiais nas favelas Vila Cruzeiro, Morro da Fé e Morro do Sereno.

Na semana passada (1), um caso de violência da polícia ali ao lado, no Complexo do Alemão, repercutiu no monopólio dos meios de comunicação e nas redes sociais. Um jovem de 11 anos foi baleado na perna por PMs da UPP e teve que se atirar em um rio para não ser morto. Segundo relato de integrantes do Coletivo Papo Reto, PMs ainda jogaram granadas em direção ao menino que teve sorte e conseguiu sobreviver. O amigo do jovem, que teria apenas 13 anos, foi torturado por policiais para que dissesse onde o garoto havia se escondido. De acordo com moradores que testemunharam o acontecido, PMs teriam disparado quando viram dois jovens negros em uma moto e, ao perceberem que não eram traficantes, correram para matar e forjar o garoto baleado com medo de serem denunciados.

Baleado no Alemão 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin