‘Carta a um amigo’

A- A A+
 

Meu Prezado Cecil Seltzer,

E aí? Como está tudo?

Há quanto tempo meu amigo, hein? Por aqui tão jogando um futebol cada dia mais feio, marcado e calado pelo dinheiro. Tá tendo muito choro e sofrimento do nosso povo, mas que mesmo assim não deixa de cantar os seus sambas, tocando em frente. Pois desesperar jamais e aprendemos muito nesses anos. Afinal de contas não tem cabimento entregar o jogo no primeiro tempo (1).

Você viu os resultados da farsa eleitoral, não é mesmo? Pois é, o Capitão B... Suja (CBS) será o novo gerente do falido estado brasileiro. Mas é importante que se diga que as forças reacionárias obtiveram uma vitória de Pirro. Mais de 42 milhões de brasileiros rechaçaram a democracia burguesa não comparecendo para votar, votando nulo ou branco. Se somados os votos do candidato derrotado no segundo turno o placar foi de 89,5 milhões de brasileiros que não aceitam o CBS contra os 57,8 milhões que caíram na falácia do candidato da reação. Esse tal de CBS é um gigante de pés de barro. Sim é isso o que ele é!!!

Muita gente boa, progressista e democrata ainda está choramingando pelos cantos. Esse pessoal infelizmente ainda se ilude com a falsa “esquerda” que sempre aposta na conciliação de classes e é força auxiliar dos inimigos do povo.

Tenho repetido o que vários companheiros têm falado: o copo está meio cheio. Me perguntam de onde tiro tanto otimismo. Ora, meu amigo, por acaso existe classe de gente mais otimista que um comunista??? E esse copo vai transbordar em breve na grande luta popular. Se há repressão, existe resistência. É uma lei natural. Como diria Stalin: “os líderes vem e vão, os governos sobem e descem; somente o povo resiste, somente o povo é eterno”.

Mas afinal de contas o que fazer? A mudança não vai cair do céu como maná no deserto. Pois bem, meu velho, a missão das mulheres e homens avançados é se irmanar com o povo e contribuir para a sua organização. Lutar ombro a ombro, lado a lado com os moradores das favelas e cortiços, os camponeses dos assentamentos e acampamentos, os operários das fábricas, a juventude das escolas, universidades e periferias, os trabalhadores sem emprego, o povo nas praças e nas ruas. Servir ao povo de todo o coração e fazer a sua parte para que a festa dos oprimidos e explorados seja uma festa de arromba!!! Tudo isso com muita paciência revolucionária.   

Eu acredito é na rapaziada que segue em frente e segura o rojão. Eu boto fé é na fé da moçada que não foge da fera e enfrenta o leão. Eu vou no bloco dessa mocidade que não tá na saudade e constrói a manhã desejada (2).

Apesar de dizerem que a gente já era, que já não há mais primavera, você sabe que a gente ainda nem começou!!!

Fui muito poeta nesta carta?

Sabe por quê?

Porque os fascistas não suportam poesia.

Um grande abraço,

Frank Calafate.

 

Referências:

1. Desesperar Jamais – Ivan Lins e Vítor Martins

2. E vamos a luta - Gonzaguinha

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja