MG: Juiz ordena despejo e quilombolas decidem resistir

Com informações de mst.org

O juiz Walter Zwicker Esbaille Júnior ordenou no dia 7 de novembro o despejo do Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, Minas Gerais, com prazo de sete dias para os quilombolas se retirarem, caso contrário será acionada a força policial. Os quilombolas, que produzem na área da falida Usina de Ariadnópolis há mais de 20 anos, se comprometeram com a luta pela terra e irão resistir na terra onde vivem e trabalham, relata nota do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

De acordo com a nota, a audiência ocorreu sob estado de exceção. A Tropa de Choque da Polícia Militar (PM) esteve presente durante a audiência e apenas alguns representantes puderam comparecer na sala, apesar de grande manifestação camponesa nos arredores. Representantes do latifúndio chegaram a ordenar que as famílias presentes na manifestação fossem isoladas em um ginásio da região.

A nota do MST afirma que o juiz sequer se deu o trabalho de ler a sentença, apenas informando sua decisão ao final da audiência. Sobre a decisão, o MST afirma que “com essa decisão serão destruídos 1,2 mil hectares de lavoura de milho, feijão, mandioca e abóbora, 40 hectares de horta agroecológica, 520 hectares de café. Além disso, centenas de casas, currais e quilômetros de cerca serão derrubados”, lamenta.

O Quilombo Campo Grande tragicamente sofre essa ameaça alguns dias antes do Dia do Povo Preto – 20 de novembro. O velho Estado, que trama junto ao latifúndio o avanço de sua guerra civil reacionária no campo e seu golpe militar contrarrevolucionário preventivo, irá de qualquer maneira criminalizar qualquer luta no campo, rompendo com qualquer respeitabilidade, acordo ou lei mantidos até então, atropelando até mesmo lutas camponesas estabelecidas a anos como o quilombo Campo Grande de mais de 20 anos – exigindo das massas mais decisão e luta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro